domingo, 18 de fevereiro de 2018

O duende veio brincar também


Olá Daniele!

Eu me chamo Bruna e tenho 16 anos e não faz muito tempo que comecei a ler seu blog e gostei muito. Eu não sou muito experiente nesse tipo de assunto, porém de um tempo para cá os temas relacionados a Wicca e a elementais vem despertando bastante meu interesse. Eu desde criança fui criada como católica e assim continuei até os meu 13 ou catorze anos, quando me afastei da igreja e passei por uma fase meio ateísta/agnóstica e agora estou me reaproximando da fé e da espiritualidade. É tudo muito engraçado, é diferente de tudo que sempre fui acostumada. Para mim tudo isso sempre foi fantasia, coisa de conto de fadas rsrs. Desculpa se essa ultima parte soou meio ofensiva. Porém, quando eu era bem criança eu tive uma experiência um tanto estranha com elementais (na verdade um elemental) que eu gostaria de relatar.

Tudo aconteceu quando eu tinha 7 ou 8 anos. Naquele dia, eu e meu irmão estávamos dormindo no quarto dos meus pais. Como iria ficar muito apertado para quatro pessoas dormirem em uma cama de casal, minha mãe colocou um colchonete no chão para que eu e meu irmão pudéssemos dormir. Antes da hora de dormir eu estava brincando com umas bonecas e uns moveis de madeira no chão perto do colchonete. Minha mãe havia pedido para eu guardar os brinquedos, mas eu acabei ficando com sono e deixando eles espalhados no chão mesmo.

Então eu fui dormir na cama de cima com o meu pai e meu irmãozinho no colchonete com minha mãe. Nisso eu acabei acordando no meio da noite para ir no banheiro e quando eu olhei para os meus brinquedos eu vi um homenzinho meio dentuço, menor que eu que vestia uma camisa de manga comprida e um gorrinho mexendo nos meus brinquedos (não lembro se isso foi na ida ou na volta do banheiro). Eu não senti medo e apenas fiquei olhando para ele (eu acreditava que fosse um duende, mas hoje não sei). Ele pareceu ter percebido a minha presença e olhou para mim com sua “carinha de rato” e me encarou por um momento. Eu então pisquei e ele desapareceu. Depois disso eu apenas achei estranho, fiquei tentando absorver a situação um pouco e depois fui para a cama de baixo dormir perto da minha mãe e do meu irmão.

No dia seguinte eu fiquei super animada e saí contando para todas as minhas coleguinhas que eu tinha visto um duende, mas ninguém acreditou em mim. Então eu parei de ficar falando sobre isso para não me chamarem de maluca. E eu posso jurar que não foi um sonho, pois no dia seguinte eu havia acordado no colchonete, se foi um sonho então foi um sonho muito muito real.

A única coisa que eu acho estranho é que eu moro em apartamento e minha casa não é bem do tipo “atrativa” para elementais. É só um apartamento comum na cidade, e eu e minha família nunca tivemos ligação nenhuma com Wicca ou qualquer coisa do tipo (sempre fomos católicos). De qualquer maneira foi um acontecimento que meio que “me marcou”, então foi a partir desse dia eu passei a ver seres “mitológicos” com outros olhos. 
 
 
 
*Email respondido.
*Envie também seu relato para: adancadasfadas@yahoo.com

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Elfa Niele




Eu não sei se ainda lembram mas o meu antigo apelido era Niele (posteriormente Nielee) e eu mudei para Layla porque sim. Lembro que uma vez eu descobri que esse era o nome de uma elfa, mas só hoje, eu decidi saber mais sobre ela e devo confessar que a achei muito engraçada, viu? kkkk.
Bem, eu gostaria de compartilhar mais sobre essa personagem aqui, até porque todo o universo dela me fascinou e posteriormente, pretendo ler os quadrinhos dela.


Niele é personagem de Holy Avenger, uma série de quadrinhos brasileira criada por Marcelo Cassaro, Rogério Saladino e J.M. Trevisan, e ilustrada por Érica Awano, Holy Avenger atingiu 42 edições publicadas mensalmente ao longo de pouco mais de três anos, tendo gerado também diversas edições especiais relacionadas ao seu universo. A série foi bicampeã do Troféu HQ Mix em 2001 e 2002 na categoria "revista seriada".
 A série deu origem ao cenário de Role Playing Game Tormenta e conta a saga de Sandro Galtran, um aspirante a ladrão, no mundo de Arton, uma terra de fantasia medieval com elfos, anões, deuses e artefatos mágicos.

  • Niele -
Idade: 92 anos.
Elfa linda e de busto farto que anda vestida apenas com pequenas tiras de couro, Niele é conhecida como a maior maga de todo o reinado. Na verdade, Niele é apenas uma barda e sua reputação se deve ao fato de possuir um artefato mágico chamado "Olho de Sszzas", forjado com um dos seis olhos do deus da traição. Este artefato permite que o usuário use qualquer magia, mesmo as não conhecidas e as que o usuário não pode utilizar naturalmente. Ela encontra Sandro quando ele faz uma tentativa "furtiva" de roubar seu rubi da virtude, mas decide ajudá-lo pois vê que ele é apaixonado por Lisandra. Niele é alegre, divertida e gosta de aprontar. Mas toda essa vitalidade esconde um segredo sombrio: no passado, Niele e sua prima, a princesa Tanya, saíram dos domínios do reino élfico de Lenórienn. Nesta ocasião, as duas foram atacadas pelo bugbear Thwor Ironfist e Tanya foi sequestrada, o que deu início ao fim da sociedade dos elfos, que se dispersaram após perderem seu reino. Niele pediu ajuda para o Paladino de Arton nessa época, mas ele se recusou por ela usar um cajado maldito, levando a uma grande controvérsia(veja a ficha do Paladino). Seu nome completo é Nielendorane; sua frase de efeito: "Sou bonita, gostosa, e adoro ser lembrada disso!". [vou usar essa kkkk] Durante a história, Niele é morta por um vilão da série, o Camaleão, mas misteriosamente volta à vida depois. Esse mistério é revelado no final da série. Quando perguntada sobre o sentido da vida, Niele disse: "Pudim de ameixa". kkkkk

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Sunna - rainha dos elfos



A Rainha dos elfos era a deusa Sunna, por eles chamada de Alfrodul, “A luz dos elfos”, saudada diariamente, no raiar e no pôr-do-sol. Os elfos sombrios a temiam porque a deusa poderia petrificá-los com apenas um olhar.
Sunna regia o ciclo do dia e os ritmos da vida agrícola, que giravam em torno do nascer e pôr do sol, dos solstícios e eclipses e garantia a sustentação da vida em uma clica de frio e terra inóspita. Chamada de “noiva brilhante do céu” E “Senhora Sol”, Sunna carregava o disco solar durante o dia, em uma carruagem dourada puxada por dois cavalos: Arvakr, “o madrugador” e Alsvin, “o veloz”, sob cujas selas havia sacos com vento para mantê-los protegidos do intenso, calor solar. Sunna se apresentava envolta por uma luz dourada, cujos raios formavam seus cabelos; horas antes do sol nascer, ela ficava sentada sobre uma rocha e fiava outro com seu fuso dourado. Para conduzir a carruagem, ela segurava um chicote e um escudo chamado Svalin (o esfriador), para proteger a terra e os seres humanos do calor excessivo e destrutivo para os raios solares.
A trajetória de Sunna era marcada por dois períodos: durante o dia ela conduzia sua carruagem dourada percorrendo e iluminando o céu, do leste para oeste. Quando anoitecia, ela mergulhava no mar ou na terra e assumia a direção de um barco puxado por um enorme peixe, iniciando um trajeto inverso, do oeste para o leste. No final da noite, antes do alvorecer, Sunna emergia lentamente do mar ou da terra, sentada novamente na sua carruagem dourada, com o brilho contido na alvorada e aumentando progressivamente seu brilho e calor.

Sunna é uma das três deusas que irão morrer no Ragnarök (junto com Bil e Hel), sendo alcançada e devorada pelos lobos Skoll e Hati, seus eternos perseguidores. Porém, antes de morrer, dará à luz a uma filha, que, no alvorecer do Novo Mundo, irá assumir seu nome e continuará sua missão (conforme descrito no Mito da Criação). É possível que sua morte se deva ao fato de ter nascido como uma mortal (Filha de Mundilfari, irmã de Mani, o regente lunar) e divinizada por Odin, devido à sua estonteante beleza e peculiar brilho dourado.
Os povos antigos que reverenciam Sunna ergueram em sua honra inúmeros círculos de pedras, destinados para a realização de rituais nas datas sagradas dos solstícios e equinócios. Um jogo antigo que foi preservado na Escandinávia e Alemanha era feito na primavera, quando jovens das comunidades “aprisionavam” uma moça no centro de um labirinto de pedras arrumadas em forma de espiral e depois a “libertavam” do seu cativeiro. Em todos os locais onde se realizavam danças e festejos primaveris, existia na proximidade um labirinto – de pedras, montículos de terra ou cavado no chão. Apesar de ter se perdido o mito que lhe deu origem, a dança em espiral permaneceu pelo menos um milênio após a cristianização. Estudiosos concluíram que o labirinto era conectado com o rito da passagem do inverno e a libertação do verão, resquícios de um antigo mito solar pan-europeu, centrado numa divindade feminina.
Foram encontrados em inúmeros lugares, da Islândia até a Itália e a Rússia, centenas de labirintos, com desenhos intrincados e associados com as danças na primavera. O cristianismo incorporou muitos dos desenhos e símbolos solares nas igrejas erguidas sobre os antigos locais sagrados pagãos. A teoria sobre a origem ártica desse ritual é apoiada pela reprodução do movimento do sol no céu nórdico pelo traçado do labirinto. Próximo ao Círculo Ártico o padrão anual do sol, é diferente, formando arcos que se expandem e criando um labirinto, como se fossem fiados pelo fuso dourado de Sunna. Acredita-se que os labirintos escandinavos foram construídos 6 mil anos atrás, pois o culto da deusa solar no extremo norte data da pré-história, conforme indicam as inscrições com motivos solares. Durante a Idade do Bronze, o ato de fiar tornou-se metáfora para a produção da luz pela deusa cósmica, e assim as antigas culturas começaram a reverenciar uma tecelã solar.


Elementos: fogo, ar.
Animais totêmicos: cavalo, águia, dragão (do fogo e do ar), lobo.
Cores: amarelo, laranja, vermelho, dourado.
Árvores: acácia “chuva de ouro”, giesta, tília.
Plantas: camomila, dente-de-leão, girassol, hipericão.
Pedras: âmbar, topázio, citrino, pedra-do-sol, diamante.
Metais: ouro.
Dia da semana: domingo.
Datas de celebração: solstício de verão ou no solstício de inverno.
Símbolos: carruagem, círculo mágico, círculo de pedras, colar, cristais, dança circular, disco, chicote, escudo, espelho, fogo, fylfotI (suástica), mandala, movimento giratório, objetos dourados, roda solar e sagrada, Sol, solstícios.
Runas: Raidho, Sowilo, Sol.
Rituais: Saudação ao Sol, rituais solares, danças circulares e giratórias, práticas de energização e vitalização, preparação da água solarizada, cura com cristais, alinhamentos dos chacras, celebrações dos solstícios com fogueiras.
Palavras-chave: autorrealização.

Vem aí: O Legado Da Banshee

Olá, queridos leitores? Como tem passado?
Gostaria de me desculpar por demorar tanto tempo a postar. Nem sempre é fácil administrar meu tempo entre os blogs e as fanfics. Por falar em fanfics, vim comunicar a todos que, em breve, postarei no Wattpad e no Social Spirit a trilogia O Legado Da Banshee “inspirada” no meu contato com os elfos e outros elementais.
Eu digo “inspirado” porque mascarei e suprimi certas coisas na história para que ela não ficasse nem longa nem sombria demais, mas o essencial – que descreve as paisagens, aparência e personalidade dos elementais (que tive oportunidade de conhecer em minhas Viagens Astrais) e a forma como interagem com humanos e uns com os outros – foi mantido.
Posteriormente, pretendo trazer também a público como começaram e como até hoje ainda o é minhas interações com os Elementais – menos encantado, mais realista e um pouco assustador -.
Na história aparecem velhos conhecidos de vocês (que já devem até estar familiarizados com os mesmos de tanto que os menciono em diversos posts) como Alfie, Marina, Gaion (minha guardiã) e Freddie – todos elfos -.
Também aparecem rostos novos (que atrai ao longo dos anos) como Kol (depois que lerem toda a história, quero que me digam, sinceramente, se sou sortuda ou azarada por conhecê-lo), Suoni, Bree e Dean (estes dois últimos são djins da luz azul ou Marid).
Adaptei a história para que ela se ajustasse um pouquinho ao estilo de OUAT (por falta de uma comparação melhor), portanto, podem esperar por uma Elfland urbana onde elfos se adaptaram perfeitamente a modernidade e tecnologia, embora, ainda possuam a boa e velha magia nas pontas dos dedos.
Eu não ousei me colocar diretamente na história porque cedo ou tarde, minha mãe acabará lendo e (por mais que ela saiba que sou eu ali porque costumo contar a ela a maioria das coisas que vejo) e eu fico com um pouco de vergonha, por isso, criei uma personagem com uma aparência que eu mataria pra ter, estilo escocesa (amo escoceses) que será representada ou por Alina Kovalenko ou Karen Gillan (vamos ver quem a capista consegue colocar na capa).
A protagonista deve se chamar Amélia (era pra ser Mariana, mas aí as pessoas poderiam confundir com Marina) e, em vez de viver entre duas realidades como eu, será levada de vez para o reino feérico para que sua experiência seja ininterrupta. Se ela retornará depois para sua realidade, já não sei, porque a história serve mais pra ilustrar o reino elemental e seus habitantes. Não significa, no entanto, que não tenha um roteiro a seguir porque eu pensei nisso e esperei tempo o suficiente até que eu conseguisse deixar a elfland (e recentemente, eu meio que retornei pros elfos porque sim cof cof Alfie cof cof).
Como é impossível contar 11 anos de experiências numa única trilogia, posteriormente, farei outra dedicada somente a Gaion porque se eu fosse contar todos os momentos em que Gaion me consolou, nossas aventuras através dos reinos e como ela me ensinou a desenvolver minhas habilidades mediúnicas, ninguém me shipparia com Alfie, Dean ou com Kol, mas com a Gaion (e com razão rsrs).
Quando postar a história (só a falta a capa e já encomendei), eu trarei um novo post com o link da mesma, mas até lá, se quiserem, podem me seguir tanto no SS quanto no Wattpad para ficarem sabendo no mesmo instante quando eu postar a história.

Meu Nick no Wattpad: @layladunwich
Meu Nick no Social Spirit: @laylawonderland

Você também pode acompanhar o meu blog Wonderland Fanfics para acessar as fichas dos personagens e, assim, ir se familiarizando com eles (são todos reais esses elementais e de meu convívio íntimo). Não sei se aprovarão o elenco que escolhi para representá-los, mas foi difícil encontrar qualquer celebridade com a aparência deles (eles me ajudaram muito, me mostrando que formas preferiam, então, não quis desagradá-los, não de todo, mantendo alguns).
Amélia é uma princesa e eu não (óbvio! Rsrs), mas me coloquei como tal porque sempre fui fascinada por princesas de contos de fadas, mas quanto a ela ser pressionada para assumir as responsabilidades para com sua família e os habitantes no geral, isso não inventei. É uma história a parte que tenho com as fadas que já me revelaram de formas bem convincentes que fui uma delas no passado.
Por agora, eu deixo a sinopse da história com vocês e espero tê-los como leitores dessa trilogia em breve!



O Legado da Banshee: Bellanandi


Sinopse: Raptada por elfos e perseguida por silfos
Amélia nem imagina que é a princesa perdida de Mag Mell.
De um lado, tem o rei Willard, pai amoroso que sente falta d filha; de outro, Suoni, a irmã da princesa e seu aliado Kol, e tem também, a rainha Miranda, a típica madrasta que apenas deseja ver a enteada bem… BEM longe e de preferência, morta e enterrada.
Alheia aos crescentes perigos que a rondam, Amélia só deseja se vir livre de seu ex noivo, Alfie, e fugir com seu amor proibido, Alex, que, ao contrário de Alfie, é doce e compreensivo, ou, ao menos, ela acha que sim… Aparências enganam e de boas intenções, o inferno está cheio.

sábado, 11 de março de 2017

Algumas receitas fáceis para agradar aos Elementais

Às vezes, uma receita caseira agrada mais aos Elementais do que algo comprado pronto em um supermercado. Está bem que nem todos sabem cozinhar e, não julgo! Mas separei algumas receitas fáceis que você pode tentar preparar em sua casa para oferecer aos Elementais. Sempre que for fazer algo para oferecer a eles, pode dividir também com sua família, sem problema, contanto que a primeira fatia sempre seja ofertada a eles. Pode deixar em seu altar, no jardim, entre as plantas, ou mesmo escondidinho embaixo da cama ou em algum outro lugar. Se puder, deixe também, um copinho com leite ou suco, e uma moeda dourada. Eles adoram!


Bombom (para os gnomos)

Para atrair a harmonia e a alegria.

*250 gramas de manteiga de cacau
*Chocolate
*Granulado ou coco

Derreta a manteiga de cacau em banho-maria. Quando esfriar, junte o chocolate e leve a uma panela em água morna. Mexa até dar consistência de enrolar. Em seguida, modele os bombons. Coloque-os em uma travessa de vidro. Coloque suas mãos sobre eles, mas sem tocá-los. Visualize uma luz dourada os envolvendo e diga baixinho:

Gnomos, pequeninos guardiões,
Habitantes de um Reino fantástico;
Ouçam meu chamado e, esse doce, tornem mágico,
Para que todos que o provem, experimentem a alegria,
Que suas almas se encham de harmonia!
Que de seus corações se aparte a agonia!
Que assim seja.


Jogue o granulado ou coco por cima deles. Leve à geladeira. Deixe de um a três bombons para os gnomos em um jardim ou em seu altar, e os outros, divida com sua família, amigos, etc.






Leite condensado com morangos (para os elfos)


Para a realização de um desejo.


Coloque 1 lata de leite condensado sem o rótulo em uma panela de pressão, cubra com água, tampe a panela e cozinhe por 30 minutos (ou mais se você quiser uma consistência mais firme) após começar a chiar. Deixe sair a pressão, retire a lata com cuidado e só abra quando ela estiver totalmente fria (pode colocar no congelador para gelar). Despeje em uma taça e coloque alguns morangos frescos e bonitos, canudinhos de bolacha ou chocolate e granulado ou coco, se quiser. Deixe num lugar especial para os elfos, entre as plantas de um jardim, ou num círculo de lírios ou gardênias, ou em seu altar, junto a três moedas douradas. Faça um desejo e prometa aos elfos dar-lhes outra taça do mesmo doce, caso o pedido se realize. Estabeleça um prazo (mas de acordo com o tamanho do seu desejo, seja razoável; pode pedir por um novo amor, uma promoção ou o que seu coração desejar) e não se esqueça que a dívida deve ser paga no mesmo local que for feito o acordo porque os Elementais não tem energia o suficiente para se deslocarem de um lugar para o outro.
Pavê escondidinho (elfos e fadas)


*250 g de chocolate meio amargo,
*1 caixa de creme de leite,
*1 litro de sorvete de morango,
*1 pacote de biscoito wafer de chocolate (180 g),


Acenda uma vela cor-de-rosa e um incenso de mel. Diga:

As fadas e elfos, eu chamo agora,
Me ajudem nessa mágica hora,
É o fim da melancolia,
O início da alegria,
É esse o meu desejo,
Realizem o que almejo.


Então, coloque uma música alegre (não precisa ser celta, mas tem de ser uma melodia alegre que toque seu coração e te deixe feliz). Derreta o chocolate em banho-maria e misture com o creme de leite. Em um refratário, coloque o sorvete, acrescente uma camada de biscoito e por cima o creme de chocolate. Sirva em seguida e depois conserve no congelador. Para os Elementais, divida em duas taças ou pratinhos (um para os elfos e outro para as fadas) e deixe em seu altar ou em um jardim. O restante divida com sua família, amigos, etc.






Flores de balas (para ninfas, gnomos, fadas e elfos)



Em um pedaço de papel celofane, coloque no centro, uma bala de goma espetada em um palito. Em vola, coloque balinhas coloridas de goma ou confete. Feche o plástico e amarre com uma fitinha colorida. Essa é a oferenda mais fácil e deve agradar a todos os Elementais, e também as crianças humanas. Não deixe de presenteá-las também caso tenha filhos ou irmãos. Elementais adoram ver crianças felizes e só de verem os pequeninos sorrindo, eles já ficarão contentes.




Canjica (elfos)



*1/2 quilo de canjica
*3 xícaras (chá) de leite
*1/2 xícara (chá) de açúcar

Deixe a canjica de molho em água fria por 4 horas. Escorra, troque a água e leve para cozinhar em fogo brando até que os grãos fiquem macios. Quando os grãos estiverem macios, escorra a água e adicione leite, deixando ferver mais um pouco. Sirva e pratos fundos, adoçando e acrescentando mais leite (quente ou frio), se quiser.




Brigadeiro (elfos, gnomos e ninfas)


*1 lata de leite condensado
*1 colher (sopa) de manteiga ou margarina
*2 colheres (sopa) de chocolate em pó
*Chocolate granulado para decorar

Misture o leite condensado com a manteiga ou margarina e o chocolate em pó. Leve ao fogo, mexendo sempre, até desprender-se totalmente da panela (cerca de 10 minutos). Retire, passe para um prato untado com manteiga e deixe esfriar. Enrole em forma de bolinhas, passe-as pelo chocolate granulado e coloque-as em forminha de papel.




Beijinhos de coco (elfos, fadas, ninfas)



*1 lata de leite condensado
*2 xícaras (chá) de coco fresco ralado
*2 gemas
*1 colher (sopa) de manteiga ou margarina
*1 colher (chá) de essência de baunilha
*Açúcar cristal
*Confeito prateado para enfeitar (opcional)

Junte todos os ingredientes numa panela e leve ao fogo, mexendo sem parar, até se soltar da panela completamente. Despeje num prato untado com um pouco de óleo e deixe esfriar. Depois de frio, enrole os docinhos, passe-os pelo açúcar cristal, coloque-os em forminhas de papel e decore-os a gosto com confeito prateado.




Bolo de mel (ninfas, fadas, elfos, gnomos)



*1 xícara (chá) de mel
*5 colheres (sopa) de manteiga
*3 ovos
*2 xícaras (chá) de farinha de trigo
*3 colheres (chá) de fermento em pó

Bata o mel e a manteiga. Junte os ovos bem batidos, a farinha e o fermento. Despeje em forma untada com manteiga e leve ao forno regular.

Pó dos elfos

*Maisena ou talco;
*Calêndula;
*Lírio-do-vale;
*Tomilho;
*Lascas de pinheiro (serve de uma árvore comum, caso não encontre nenhum pinheiro por perto);
*Uma colher (sopa) de areia branca, fina;
*Glitter dourado;
*Uma vareta de incenso de Erva-cidreira, Jasmim, ou, Violeta;


Acenda o incenso e triture as ervas (não me pergunte sobre a quantidade exata das ervas porque isso depende muito da quantidade de pó que você deseja preparar, portanto, faça você mesma seus cálculos) no pilão, depois coloque-as num pote de vidro junto com a maisena, as lascas de pinheiro, a areia e o glitter. Passe a fumaça do incenso pelo vidro e diga:


Amada Grian, senhora dos elfos;
Me ajude agora a encantar este pó;
Para que me ligue à magia dos elfos;
E seus encantos.
Com sua luz e graça, assim seja.


Deixe o incenso queimar até o fim. Use este pó em magia com os elfos, para atraí-los, espantar pesadelos, e também para sentir-se seguro e feliz. Pode passar em velas para acender a eles ou colocar nos cantos de sua casa.

Banho para atrair os elfos

*Uma vela branca;
*Uma vareta de incenso de mel ou jasmim;
*Três lírios-do-vale;
*Seis folhas de inhame selvagem;
*Uma colher de açúcar;

Prepare o banho. Acenda a vela e o incenso e diga:


Eu chamo os elfos e minha amizade, ofereço;
Seus conselhos e sua proteção é o que em troca, eu peço.
Se é sincera minha intenção, ao meu chamado, responderão.
Venham elfos, com a bênção da rainha Grian e a proteção do Arcanjo Uriel. Que assim seja.


Jogue a água do pescoço para baixo. Vista uma roupa confortável de cor clara (pode ser branco ou verde). Deixe o incenso e a vela queimarem até o fim, senão no banheiro, no seu quarto ou no jardim.