quarta-feira, 26 de agosto de 2015

O que fazer com as sobras de materiais utilizados em um ritual


  A Camila já tinha me perguntado isso, uma vez e eu respondi, mas agora senti a necessidade de fazer este post, caso alguém tenha a mesma dúvida que ela – o que seria compreensível, afinal - . Então, depende muito do material usado no feitiço ou ritual. Se for um copo ou prato ou mesmo uma vasilha, você pode lavar e usar normalmente, como de costume. Eu sempre deixo de molho em água com sal grosso para limpar qualquer energia que possa ter ficado impregnada. Se for material descartável, como sobras de cera de velas ou incensos, pode jogar no lixo. Se for comida, pode enterrar. Eu sei que é estranho enterrar comida, mas é preferível a comer ou a jogar no lixo. Se você deu a comida como uma oferenda aos Elementais, por exemplo, precisaria da permissão deles para consumir depois, mas eu considero que uma vez dado a eles, é deles! Ou seja, você deu, está dado e ponto. Como bem se sabe, não é aconselhável comer da comida das fadas, tampouco beber da bebida delas. Caso contrário, você pertence a elas (além da vida e da morte, ou seja, entrega a sua alma a elas). Jogar comida fora é um pecado quando há tantas pessoas passando fome por aí, então, pense na melhor maneira de se livrar da comida oferecida às fadas. Muitas pessoas preferem colocar em um pratinho daqueles de aniversário e deixar num parque, ao pé de uma árvore. É uma ideia... Mas, fazer isso com muita frequência não me parece legal. O jeito é repensar nas oferendas. Eu mesma gosto mais de oferecer mel, sucos e balas aos elementais. Pois é bem mais fácil de se desfazer disso depois.

      No caso de flores, você deve deixá-las ao pé de uma árvore frondosa ou enterrá-las e pedir aos devas da natureza para transformarem aquela planta, dando-lhe uma nova vida. Isso demonstra o seu respeito e gratidão para com as ninfas. Se, infelizmente, não tiver mesmo como enterrar as flores murchas, aconselho que as enrole num jornal antes de desfazer delas. O importante aqui é ser respeitoso mesmo depois do ritual, não apenas antes ou durante ele.

   Se assim como eu, você tem o costume de dar moedas douradas aos elementais, será mais prático guardá-las num cofrinho que enterrá-las a todo momento. Elementais adoram possuir coisas. Não os veja como seres gananciosos, mas como crianças que adoram colecionar objetos. E, eles tem um carinho especial por tudo o que possuem, especialmente, se tratar-se de um presente. Por isso, eles cuidam mesmo e custam a se desfazer de qualquer pertence que possuam.
     Você pode comprar um cofrinho pequeno e consagrar para determinado elemental. Então, sempre que puder, deposite algumas moedas. Pode fazer um tipo de trato, se quiser. Propondo ao elemental, lhe dar dinheiro quando conseguir dinheiro com a ajuda dele. Mas atenção. Se estabelecer um valor, jamais vá além dele, pois os elementais são sensíveis e se ofendem fácil. Por isso, se prometeu dar cinquenta centavos, dê sempre cinquenta centavos, nem menos nem mais. Se der menos, o elemental vai achar que você está sendo pão duro, e se der mais, ele vai considerar como uma esmola. Vai entender a mente dos bichinhos... Por isso que eu nunca estabeleço um valor. Digo apenas que serão moedas douradas e ponto. Funciona bem para mim e o cofrinho dos meus bakenekos está sempre cheio. Ah! Caso você precise pegar vez ou outra, algumas moedas emprestadas, deixe bem claro que devolverá depois. Diga que é um empréstimo e que você dará outras moedas. Senão o elemental pode achar ruim. Principalmente se for um gnomo, duende ou dragão – seres egoístas e avarentos por natureza - . Nesse caso, pagar com juros seria uma boa ideia. Vantajosa para ambos (antes que pergunte onde está a sua vantagem, eu digo, o elemental pode te trazer um pouco mais de sorte em agradecimento pela generosidade, isso claro, se você explicar bonitinho para ele como funciona esse lance de juros).

       Nunca mexa no cofrinho ou no porta-joias de outras pessoas, especialmente se desconfiar que a pessoa pode ser um bruxo, afinal, nunca se sabe se ela pediu a um elemental como um gnomo ou uma fada, para vigiar tais pertences. Eu acho que já disse isso antes em A Dança Das Fadas, que fadas adoram vigiar joias das casas onde passam algum tempo.
         Contatar um elemental é como convidá-lo a ser um amigo fiel e leal, um membro de sua família. Ele sempre – ou quase sempre – estará por perto. Podendo vigiar seus pertences e sua propriedade contra gente intrusa e intrometida.
        Enquanto há os elementais que se preocupam com as coisas de seus amigos humanos como se fossem suas próprias coisas, há também aquele tipo de elemental que finge que nada vê e nada ouve... Mas não dá para arriscar, né? O preço pode ser alto. Eu, por exemplo, por mais que me sinta tentada a mexer nas coisas da minha avó, fico na minha porque já tomei cada susto!


     Jamais queime flores ou plantas! Estará ofendendo dois elementais ao mesmo tempo – Ar & Fogo - . Esses elementais têm uma certa rivalidade entre si e por conta disso não se dão muito bem. Deve ser por isso que fadas não gostam muito de gatos porque os gatos estão associados a um elemental do fogo, o Bakeneko. Eu sempre digo isso, mas é importante se lembrar, já que os elementais ficam pior que uma garota em TPM quando irritados (palavra de quem todos os meses parece possuída pelo demônio quando em TPM:p).
     Tome cuidado também para não poluir rios ou fontes, despejando certos líquidos e etc. Não vai querer ofender as ninfas das águas ou as Ondinas... O jeito é jogar chás e sucos pelo ralo da pia mesmo. Melhor que ir naquela adorável fonte do seu jardim e despejar tudo lá. ;)


      É isso! Não me lembro agora se esqueci alguma coisa porque escrever e ao mesmo tempo prestar atenção em Mv's é um pouquinho difícil, mas fazer o quê? É isso ou ouvir o som do vídeo game de quem não se toca que o som de GTA é irritantemente... IRRITANTE! #PartiuQuebrarCabeçaDoIrmão.

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

A ignorância é o pior defeito do ser humano!

        Gente, eu pensei antes de escrever esse post... Não quero constranger ninguém, mas eu percebi que tem gente que ainda precisa estudar MUITO sobre a Wicca e os Elementais! Acreditam que um cidadão de Gotham (viciei em chamar os outros de cidadãos de Gotham porque tô apaixonada pela série da Globo) me disse, todo sim senhor que Gnomos não eram Elementais? Deu vontade de falar para ele, "Meu filho, se Gnomos não são Elementais são o quê então?", mas claro que eu não falei. Seria grosseiro de minha parte. Preferi explicar a ele, no que eu me baseava para afirmar com CERTEZA que gnomos SÃO elementais da Terra, sim! Eddie Van Feu é uma das bruxas mais respeitadas do Brasil e ela estudou MUITO para chegar onde chegou! Ela mesma afirma em vários livros dela como A Magia Dos Gnomos E Outros Elementais Da Terra, que Gnomos são Elementais. E não é só ela! Vários outros estudiosos que entendem do assunto também o afirmam. Até a Wikipédia afirma isso, caramba! Pesquisa no Google ou vai lá e pergunta diretamente para Eddie se achar que estou enganada.
     Eu JAMAIS afirmaria em meus blogs algo que não tenho certeza porque isso não só seria charlatanismo como seria muito feio. Sempre pesquiso bem antes de afirmar qualquer coisa, mas convenhamos, classificar os Elementais em seus Elementos (Ar, Terra, Água e Fogo) é uma coisa básica que qualquer aprendiz de magia deveria saber. Meu irmão Thiago, já aos seis anos, sabia para que servia um círculo, uma varinha e o que eram os Elementais. Se uma criança é capaz de aprender isso, qualquer um também é!
       Outra coisa: Elfos são Elementais Da Terra? Sabendo que eu tenho um blog para cada Elemento específico (um para os Elementais Do Ar, um para os Elementais Da Água, um para os Elementais da Terra e outro para os Elementais Do Fogo), você acha que os elfos estariam num blog dos Elementais Da Terra se eles pertencessem a outro Elemento, como o Ar, por exemplo? Obviamente, não!
      Eu sei o que estou fazendo aqui! Não sou como tantos blogueiros que copiam coisas aqui e ali, e no fim, nem sabem o que estão ensinando aos outros. Eu amo o que faço! Eu sou obcecada por Elementais e desde que decidi estudar sobre eles, tenho os classificado, aprendido sobre o comportamento deles e repassado isso em meus blogs. Meu estudo se baseia em livros e experiências próprias (todo bruxo tem ou terá alguma experiência com Elementais, Deuses ou outros espíritos). Eu não tenho vergonha de falar aqui, que a maioria dos livros que leio sobre Wicca são da Eddie! Ela é minha escritora favorita e não importa o que falem dela! Foram as palavras dela que me deram força quando eu estava tentando me encontrar, anos atrás, que me fizeram acreditar na magia e nos elementais, e deixar de lado o medo de me sentir ridícula. Se um dia, eu encontrar essa mulher pessoalmente, quero abraçá-la e dizer obrigada, mesmo que ela pense que sou louca. E... Eu tô emocionada, agora. Rsrs. Mas é isso! A Eddie escreve com o coração e eu também. Foi ela mesma que um dia escreveu em um de seus livros que o conhecimento devia ser compartilhado, que um bruxo não deveria guardar consigo o que aprendia, que deveria repassar aos outros, é o que eu estou fazendo. 
 
       Eu me sinto plena e completa na Wicca! Encontrei o meu caminho e a Verdade na qual acreditar. Acredito em vida após a morte, em reencarnação... Mas mesmo que nada disso fosse real, mesmo que fosse só uma fantasia... Mesmo que fadas e elfos não existissem, e que voltássemos para o tempo da Inquisição, eu morreria por essa Verdade, pela Wicca, pelos deuses e deusas, e pelos Elementais! Eu iria para o Inferno, feliz porque fui sincera comigo mesma. De que adiantaria viver uma vida de sacrifícios pessoais (negando meus desejos e vontades) e ir a Igreja todos os dias, se eu não sentir no fundo de meu coração que é aquilo que eu quero para mim? Isso seria uma mentira. Não vou mais me enganar. Eu sei o que eu quero para mim e nada nem ninguém vai me fazer mudar de opinião. Quem quiser me seguir, venha! Eu sempre estarei de braços abertos. Se você acredita, seja bem vindo. Se você é só um curioso, bem vindo também. Receba a bênção da Deusa e Das Fadas! 
 
        Mas se você não acredita na nossa verdade, peço, por favor, que respeite-nos. Não fazemos mal a ninguém. Não é pelo ódio que conquistamos as pessoas. É pelo amor. Se você prega ódio, violência e preconceito e zombaria, é tudo isso o que você terá de volta. O nosso grupo é firme e forte! Muitos dos que estão conosco, sabem o que querem e não se deixam intimidar por pessoas ignorantes ou perversas. Aqui, já não estou mais falando daqueles que não sabem nada da Wicca ou dos Elementais. Estou falando daqueles que acham que sua religião é a fodona de todas e a única! Essa gente que bate em quem acredita que há outro caminho além do céu e do inferno.... Isso é mais um motivo pelo qual não vou a igreja. Eu não quero estar entre aqueles que batem em seus semelhantes. Isso é horrível! Também não estou dizendo que todas as igrejas são ruins - o problema não é bem a igreja, mas o fanatismo de algumas pessoas -. Mas tenho visto coisas que me aborrecem muito. Ninguém devia se odiar porque um é gay, o outro é negro e o outro bruxo. Somos todos seres humanos, não somos? Pensem nisso, bruxinhos e não bruxinhos.


Beijos de morango a todos.

Niele.

A Magia Dos Elementais


      Conhecidos também como devas, os elementais são seres da natureza. Apesar de, nos últimos anos, terem adquirido a fama de criaturas boazinhas e protetoras dos animais e da natureza, nem todos são assim. A maioria, na verdade, é bastante neutra e só ajuda um humano se simpatizar com suas ações. Se, pelo contrário, tiverem naturalmente má índole ou não gostarem das atitudes de um humano, são capazes de coisas terríveis.
       Quando falamos de Elementais, lembramos imediatamente dos contos de fadas, das nossas sereias e Mãe D'água em nossa cultura popular. Mas nossas histórias de contos de fadas e folclore geralmente arrastam atrás de si um irremediável final feliz, mostrando como o bem sempre vence o mal. Como já disse, elementais não são exatamente bonzinhos. Em sua neutralidade, chegam muitas vezes a extremos de crueldade e, como possuem uma ética totalmente diferente da nossa, fica muito difícil lidar com eles. Às vezes, mesmo tentando agradá-los, provocamos uma ofensa e perdemos um amigo prestativo sem que saibamos exatamente o porquê. Em algumas histórias narradas em livros sobre encontros de homens com estes seres mágicos, elementais da terra se ofenderam ao receber um tecido de pano fino ou um traje bonito e nunca mais prestaram ajuda naquele local.

      Elementais em geral são atraídos pela arte, por toda forma de arte. Gostam de ver homens pintarem, esculpirem, escreverem e, principalmente, lidarem com a música, sua forma de arte favorita (nos relatos de encontros com Elementais, vemos que boa parte desses encontros se deram quando eles dançavam, cantavam ou tocavam algum instrumento).  Nesse ponto, os artistas levam uma grande vantagem sobre as pessoas comuns. Eles podem sentir aquela força invisível, sensível e poderosa capaz de fazê-los criar grandes maravilhas. Sem essa força, a obra fica sem graça, sem vida, sem viço, uma arte morta. Chamamos essa força de inspiração e muitos a devem a uma Musa. Quem a sente sabe que ela é irresistível e caprichosa, capaz de abandonar até o maior dos artistas bem no meio de seu melhor momento e presentear outro artista com uma única pérola. Quantos cantores você conhece que só fizeram uma música memorável? E quantos autores só conseguiram escrever um único livro?
      
       Os Elementais vivem no que chamamos de Reino Encantado, Mundo Encantado ou Mundo Invisível. Podem aparecer num momento e desaparecer no momento seguinte, deixando a cruel dúvida se realmente os vimos ou se foi um golpe de vista. O Reino Encantado é muito parecido com o nosso, possuindo uma hierarquia semelhante à monarquia. Cada categoria possui um rei e uma rainha, a quem são reportadas as questões do reino. Na literatura pesquisada, não encontrei nada referente à ministros, ou funções intermediárias, embora possamos imaginar facilmente que existam nobres e plebeus. A vida é bastante justa no reino, não existindo pobreza, pois os seres encantados tiram da natureza tudo de que precisam.
          Por viverem em total harmonia com a natureza, os elementais agem como seus guardiões, hostilizando qualquer um que tente destruí-la. Infelizmente, parece que ninguém consegue se equiparar ao homem em poder destrutivo. Com a destruição do meio ambiente, perdemos milhares de animais, plantas, árvores e, é claro, elementais.
           Apesar de imaginarmos que os elementais se afastariam cada vez mais dos homens, em virtude da destruição causada irremediavelmente por ele, o contrário vem acontecendo. Os contatos entre seres encantados e seres humanos vêm aumentando, e embora algumas pessoas pensem que isto aconteça devido ao estreitamento do nosso habitat, devemos esse contato ao momento em que vivemos. Os anjos retornaram para nossas vidas, e eles são os generais dos elementais. Com a proximidade do novo milênio, a Nova Era, como chamam, tornou-se fundamental entrarmos em equilíbrio com as forças do Alto. Como antes, Deus enviou novamente seus anjos, e estes enviam os elementais quando sentem que alguém merece a ajuda da natureza.
          Antigamente, os Rosacruzes se utilizavam do poder dos elementais e Paracelso escreveu muito sobre estes seres da natureza: Durdales ou Dryadas, Salamandras ou Acthnici, Ondinas ou Melosinae, Sildos ou Nenufareni, Gnomos ou Pigmeus.

Elementais no mundo inteiro



    Assim como os Rosacruzes, diversas outras religiões admitem os elementais ou, pelo menos, os mencionam em algum momento de sua história. Na Bíblia, por exemplo, encontramos no Livro de Jasher, LXXX, 19-22. Nesse versículo, lemos a palavra Sulanuth, como uma das pragas lançadas por Moisés ao faraó malcriado. Sulanth é uma categoria de elementais destrutores. Na Pérsia eles eram conhecidos como Daevas, enquanto os gregos os chamavam de Daemons. Na Cabala, tradição judaica, os elementais são situados no mundo de Assiah e são chamados de Klippoth, sendo compostos de quatro classes e atendendo pelo nome genérico de Shedim.
         Os feiticeiros de todas as correntes trabalham diretamente com essas quatro classes. Os egípcios os chamavam de Afrits, algumas etnias da África os denominavam Yawahu, na cultura islâmica são chamados de Djins, no Japão, Oni e na Ásia, Phyes. Os textos sagrados da Índia que contam episódios aparentemente históricos podem ser interpretados como uma viagem feita pela consciência de um homem. No Mahhabharata, Nara (na verdade, Arjuna) luta sozinho contra um exército de Deva-Yonis, categoria de elementais inferiores que todos os aspirantes devem enfrentar em dado momento de seu aprendizado.
         Amuletos (chamados Ishta Kavac) são dados aos discípulos pelos seus gurus para protegê-los nesse momento. Esses amuletos são consagrados a determinado anjo (ou gênio), de acordo com sua utilização. Veja que interessante esse texto da cultura islâmica retirado do livro Amulettes, Talismans Et Pantacles, de J. Marques-Rivière, p. 137, Editions Payot.

    "O Djinn é um ser corporal (Adjâm), formado de um vapor ou de uma chama, dotado de inteligência, imperceptível aos nossos sentidos, que pode aparecer sob diversas formas e realizar penosos trabalhos. O corão (sur. LV, 14) diz que eles foram criados de uma chama sem fumaça e que podem ter parte na salvação. Suas relações com os homens foram oficial e legalmente reconhecidas pelo Islã, e eles participam de certos atos de propriedades, casamento, etc... - Um homem que morre de morte violenta torna-se comumente um Ifrît e assombra o lugar onde faleceu; mas às vezes torna-se também um Djin malfazejo. Uma outra categori de Djûns maléficos está sob a autoridade de Shaitaân ou Iblis, o diabo, o anjo que recusou prosternar-se diante da criação de Deus. Este chefe dos Djûns é hermafrodita; possui órgãos genitais dos dois sexos e fecunda-se a si mesmo".


          Se você quer conquistar a simpatia desses seres fantásticos (os elementais), tenha um bom relacionamento com a natureza em todas as suas formas. Seja gentil e respeitoso, pois uma árvore, uma pedra, um córrego, tudo tem vida própria. Mantenha o coração puro e boa sorte!



Fonte: Texto de Eddie Van Feu, retirado do livro Simpatia Populares, número 23.
Issn 1676-3823   Editora Modus. 


Conheça o blog oficial da autora:
  http://omundodeeddie.blogspot.com.br/

Página Oficial da autora:

 https://www.facebook.com/eddievanfeuoficial