sábado, 5 de outubro de 2013

Brincando de esconde-esconde com o elfo


    Um dia, minha prima Francielly veio passar as férias aqui em casa. Eu ainda estava aprendendo a ser bruxa quando decidi ensinar tudo o que eu sabia (ou pensava saber) para ela e meus irmãos Thiago e Danilo. Durante várias noites, nós quatro nos reunimos no jardim e fizemos vários rituais para contatar os gnomos, os duendes e as fadas. Eu me sentia a Bonnie Bennet (da série Diários De Um Vampiro) com um livro da Thea Sabin nas mãos. Mas nem sabia traçar um círculo mágico direito. O ritual que mais realizamos foi um que consistia em tocar o próprio elemento e sentir sua essência. A princípio, não aconteceu nada e o ritual parecia tão bobo... Mas certa vez, eu senti meus pés pinicarem como nunca. Minha prima riu e disse que eram pernilongos que estavam me atacando. Mas quando ela realizou o ritual uns dois dias depois, o mesmo aconteceu a ela. Minha avó e minha mãe também decidiram experimentar a experiência. Minha avó não sentiu nada. Mas minha mãe jura que sentiu uma piniqueira em seus pés. Não acreditei muito na minha mãe porque ela se mostrou bastante cética durante o ritual.
   Meus irmãos também fizeram o mesmo ritual. O Danilo não sentiu nada, mas o Thiago sentiu.


  Convencidos de que os gnomos tinham feito contato conosco, decidimos prosseguir com os rituais. E na noite seguinte, quando minha mãe foi ao mercado, decidimos continuar com os rituais. Após uma sessão rápida de ocultismo, nós decidimos brincar de esconde-esconde e, em voz alta, convidamos os gnomos para brincarem também. Nós procurávamos o suposto gnomo, o chamando. Era divertido! O peste do meu outro irmão que nunca participava dos rituais, escondido atrás da janela da sala, jogava pedrinhas no jardim para nos assustar. Quando percebeu que estávamos mesmos concentrados em procurar o tal gnomo, ele se irritou e zombou da gente. Então, voltou para sala e foi ver um filme. Ficamos apenas o Thiago, o Danilo, a Francielly e eu. Continuamos procurando pelo tal gnomo. Quando eu disse que estava frio e que iria pegar o meu casaco. Me aproximei das cadeiras que estavam enfileiradas para pegar meu casaco quando percebi algo estranho... Um casaco talvez... Estava muito escuro. Perguntei a minha prima se havia deixado o casaco dela cair no chão. Ela respondeu que não sabia e não me deu atenção. Eu olhei as outras cadeiras e vi que os casacos meu e da minha prima estavam ali. Espantada, eu sai de onde estava e fui ver mais de perto o que era aquilo no chão. Me aproximei da porta da sala para ver com mais nitidez aquilo e o que vi me assustou... Parecia um vaso... Não podia ser não com aquele formato... Então, talvez um bicho... Enquanto eu tentava adivinhar, percebi que aquela coisa tinha duas mãos pequeninas e branquinhas, semelhantes às de um bebê. A coisa estava agachada, com o rosto escondido entre os joelhos. Estava todo vestido de preto. Um moletom de capuz para ser precisa. Eu só conseguia prestar atenção naquelas mãozinhas brancas... Apavorada, desviei o olhar da coisa por duas vezes na esperança de que aquilo desaparecesse, porque dizem que se um fantasma aparecer para você e você desviar o olhar, ele desaparece, mas aquilo não desapareceu. E eu não consegui mais me conter. Abri a boca e dei o maior berro! No mesmo instante, minha prima e meus irmãos vieram correndo e gritando na minha direção. Então eles se jogaram em cima de mim como aqueles jogadores de futebol americano. Eu caí na entrada da porta da sala e eles continuaram em cima de mim. Eu os empurrei, mas eles continuaram em cima de mim. Meu irmão que estava vendo TV nos encarou confuso. Mas não disse nada. Com muito custo, eu tirei meus irmãos e minha prima de cima de mim. Então olhei para o lugar onde a coisa estava, mas ela havia sumido. Mais calma, perguntei aos outros porque eles estavam gritando. Meus irmãos não souberam responder. E minha prima disse que pensou que eu havia visto uma cobra. Nervosa, eu dei uma bronca neles e disse que se eles não haviam visto nada, então não havia motivos para gritarem tanto.
  Curiosa, minha prima perguntou por que eu havia gritado. Eu contei a ela o que vi. E ela disse que só podia ser um duende ou um gnomo. Aí minha ficha caiu! Não tinha visto um fantasma. Tinha visto um gnomo ou duende ou fosse o que fosse aquilo. Mas era um elemental. Tinha de ser! Me tranquilizei e tentamos nos desculpar com o espírito pelo mal entendido. E o procuramos de novo, sem sucesso.
    Contei a minha mãe e ela acha até hoje que o que vi era um fantasma. Mas hoje, tenho certeza de que o que vi era um elfo... Um elfo criança.
Nunca mais vou esquecer aquele dia.
   Até hoje, quando meus irmãozinhos tentam me convencer a brincar de esconde-esconde, eu sinto medo. ©

4 comentários:

Eu tava pensando em chamar os elfos para brincarem cmg. Mas tenho um pouco de medo!
Eles estao cada vez mas estranhos, principalmente aquele elfo q ta afim de mim, tem aparecido menos em meus sonhos. Na verdade nao sei se são elfos, eu acho q sao pq em cada sonhos, eles aparecem de uma forma diferente! Mas as fadas e fados tambem tem esse poder de mudar de forma né??
Então Niele, vc acha q devo convida-los para brincar de esconde-esconde?? (Sou um pouco insegura, eu sei rsrs)
Beijinhos ;))
 
Eu acho uma boa ideia convidá-los a brincar de esconde-esconde com vc, especialmente hoje que é véspera do dia dos mortos e todos os portais estão abertos. Do dia 31 até o dia 02 de novembro, os elementais estão no nosso mundo e com um pouco de sorte podem ser vistos. Por que não tentar? Mas lembre-se de brincar à noite, e num lugar não muito iluminado porque as fadinhas e os gnomos podem ser muito medrosos (especialmente se forem crianças) e terem medo de humanos que podem querer capturá-los. É lógico que vc não é um monstro e nunca faria isso a uma criaturinha fofa, né? Mas eles tem razão em desconfiar de nós, humanos... Então, pegue umas balinhas e vá brincar com eles. Se der sorte em ver um, dê as balinhas a ele e ofereça a sua amizade. Talvez, vc só o veja como um breve vulto, mas mesmo assim, pode dar as balas. Eles vem brincar especialmente para ganhar doces, nessa época do ano.

Eu li seus sonhos, só não tive tempo de responder.
Eles realmente, me deixaram intrigada e eu gostaria de postar ao menos um deles se vc deixar, é claro. Acredito que aquele rapaz da espada era algum tipo de elemental guardião, talvez, um silfo. Porque elfos usam mais arco e flecha ou facas. Espadas são mais ligadas aos elementais do Ar. E pela forma como ele te defendeu, acredito que seja mesmo um silfo (ele é quase o mesmo que um fado, mas muito mais forte).
 
Entendi, por enquanto n tive sorte com o esconde esconde! Aqui onde moro choveu muito nesses dias (justo nesses dias pô, q azar!). E dentro de casa é tudo tão clarinho (mesmo de noite). Bom, quem sabe em outra data né? Vou dar uma olhadinha no seu post e ver o proximo dia! :/
Enfim, se vc quiser pode sim postar, só use o meu primeiro nome por favor.
So nao entendi como o silfo foi parar no sonho, eu n o contatei, eu tentei contatar somente as ninfas! Mas por enquanto nada, acho q é por que minha irmã atrapalhou o tempo todo na hora de contata-las rsrs.
 
Pode postar sim, mas use só o primeiro nome por favor (se quiser inventar um sobrenome rsrs). Tenho mais sonhos, vou te enviar. Mas se esse "ser" for mesmo um silfo, ele é bem estranho rsrs...
 

Postar um comentário