quinta-feira, 15 de março de 2012

Duendes

Duendes são personagens da cultura europeia, semelhantes a fadas e goblins. Mas em outros países são considerados mini-demônios. Embora suas características variem um pouco pela Espanha e América latina, são análogos aos brownies escoceses, aos nisses dinamarqueses-noruegueses, ao francês main-rouge, aos irlandeses durichaun, leprechauns e far darrig, aos manx fenodyree e mooinjer verggey, ao galês tywyth teg e o sueco tomte. Usado por Frederico García Lorca, o termo parece situá-los mais próximo da categoria das fadas. A palavra é usualmente considerada eqüivalente à palavra japonesa youkai, e é usada indiscriminadamente como um termo guarda chuva para abrigar todas as criaturas semelhantes como goblins, pixies, elfos, gnomos e etc.
    Alguns mitos dizem que duendes tomam conta de um pote de ouro no final do arco-íris. Entretanto, se for capturado, o duende pode comprar sua liberdade com esse ouro. Outras lendas dizem que para enganar os homens, ele fabrica uma substância parecida com ouro, que desaparece algum tempo depois. Neste caso, são chamados leprechauns. Na mitologia irlandesa, os leprechauns tem mais ou menos 30 cm e atendem a desejos. Na mitologia portuguesa, o Fradinho da mão furada e o Zanganito são seres encantados, uma espécie de duendes caseiros.

Quem nunca perdeu algo dentro de casa e nunca mais achou? A  primeira alternativa- e a mais racional-, é que alguém ou você mesmo mudou de lugar e não se recorda. Mas já pensou na possibilidade de um duende brincalhão ter escondido o objeto?
  A imagem mais comum dos duendes é a de um ser pequeno de aspecto mais ou menos humano, apresentantando alguns traços exagerados. Mas como são dotados de poderes mágicos, podem trocar de tamanho e de forma.  São considerados criaturas semi-divinas mas mortais. A lenda diz que eles passam grande parte do tempo mudando as coisas de lugar ou escondendo-as, mas também gostam de dar susto nos moradores da casa onde habitam. E podem até se vingar daqueles que os tratam mal. Mas os duendes podem ser bonzinhos e realizar os pedidos de quem os agrada e acredita no seu poder.

O primeiro passo para atraí-los é chamá-los pelo nome ou através de uma oração específica. Outra maneira é colocar um pote de mel com água na janela de casa em uma noite de lua-cheia. Para evitar erros, adquira uma imagem de duende e coloque dentro de casa ou no jardim. Coloque também três moedas douradas como oferta. Escreva seus pedidos em papel e coloque embaixo da imagem. É muito importante não se esquecer de alimentar o duende com um pouco de leite ou água com mel. As oferendas podem ser colocadas na frente do duende ou ao lado direito. Além de alimentos, eles gostam de receber brinquedos como pás e picaretas. Ter contato com a natureza é também uma boa forma de reforçar os laços com os duendes. É nos reencontrado com a terra que que vemos o reflexo de nossa própria alma. Não podemos esquecer que, assim como os duendes, somos parte da terra e a terra é parte de nós.

Esses pequenos seres possuem grande apreço pela música, pelo canto e bailes. Igual aos gnomos, os duendes são elementais da terra.
  O contato com um duende é bem interessante, mas devemos estar preparados para recepções divertidas ou desagradáveis, de acordo com a nossa egrégora interna. Eles podem nos ajudar muito no aprendizado com plantas e ervas. Os duendes possuem hábitos noturnos e geralmente tem uma atitude benévola com os seres humanos, para os quais realizam pequenos trabalhos domésticos se forem devidamente respeitados e alimentados.  A maioria deles mora nos bosques ou campos, no interior de alguma árvore ou no subsolo da terra. Os duendes podem viver vários séculos, ultrapassando 500 anos, mas não são imortais.

Características gerais:

Os duendes, geralmente adotam um estilo medieval de vestuário. Usam uma pequena túnica marrom, às vezes, guarnecida por uma por uma longa gola dobrada, botões brilhantes e debruns de cor verde, calções marrons, meias rústicas e dois tipos de calçados: ora uma " bota de lavrador", longa e pesada, ora um sapato de bico fino, de confecção mais leve. A cabeça é normalmente coberta por uma touca longa e pontuda, se bem que às vezes, um chapéu duro e de abas curtas substitua o barrete de camurça mais comumente usado.
    Grupos de duendes, absortos em suas ocupações, foram vistos usando aventais, bastante semelhante aos usados por ferreiros; fivelas e fechos brilhantes geralmente fazem parte de seus equipamentos.
  Trabalhando, os duendes portam e simulam utilizar ferramentas, principalmente, pás e picaretas, com as quais eles cavam a terra com grande aplicação.
   Os duendes variam de compleição : os representantes de algumas tribos são baixos e atarracados, gordos e roliços, de membros curtos; já outros, são magros e de aparência jovial. A sua altura varia de 10 a 30 cm. O rosto pode ser parecido com o de um velho, com sombrancelhas acinzentadas, barba e bigode, tez avermelhada, curtida pelo sol e pela chuva. Seus olhos são pequenos e redondos e sua expressão cândida, cordial e bucólica. São por natureza, criaturas comunicativas e amistosas, andam em bando e são altamente miméticos nos seus hábitos, no seu jeito de se vestir, de brincar e de trabalhar. Como seu elemento é a terra, possuem muita coisa em comum com a simplicidade rústica do lavadror. Aparentemente, o tipo é de origem medieval, pelo menos o seu aspecto presente é modelado a partir do homem do campo daquele período.
   Por serem ligados à terra, os duendes podem controlar imprevistos da natureza.
  Alguns possuem ainda grandes e pontudas e grande quantidade de pêlos no corpo. Eles chegam a constituir família e quando confiam nos humanos se tornam fiéis e grandes protetores.

Alguns duendes famosos:

Magnodum-duende da magia
Iende- duende da sorte
Dunez- da natureza
Dulei- da alegria
Duendo-da união

Os duendes estão estabelecidos no distrito de Dartmoor, na Cornualha. É difícil citar um lugar em Dartmoor que não seja assombrado pelas verdes criaturinhas travessas. Eles emprestam seus nomes a muitos marcos divisórios, Bosque dos duendes, Caverna dos duendes, Salão dos duendes, Pedra dos duendes.
    Os pequeninos dançam às sombras das pedras verticais, ou fazem travessuras nas margens pedregosas dos riachos. O repicar de seus sinos pode ser ouvido no fundo do coração dos muitos picos rochosos dos terrenos não cultivados.
   Os duendes traqüinas adoram roubar cavalos e pôneis para cavalgarem loucamente pela chanerca, enrolando e embarassando suas crinas, fazendo com que esvoacem ao vento. Mesmo em casa, não se está a salvo deles, pois gostam de atirar potes e panelas nas cozinheiras. Embora apreciem muito uma brincadeira, os duendes são trabalhadores e esforçados e são vistos, freqüentemente à noite, debulhando milho em troca de pão e queijo.

terça-feira, 13 de março de 2012

Elfos em diferentes culturas

Elfos no folclore escandinavo:


No folclore escandinavo moderno, praticamente só existem elfas, que vivem em colinas e montes de pedras. As Älvor suecas são moças belíssimas que vivem na floresta com um elfo rei. Têm vida longa e são de natureza jovial. São representadas como louras, vestidas de branco e, como a maioria das entidades folclóricas escandinavas, podem ser terríveis quando ofendidas. Nos contos, frequentemente causam doenças. As mais comuns são e menos perigosas são sarnas e brotoejas, conhecidas como Älvablast (golpe élfico) e podem ser curadas por um forte contragolpe (um par de foles serve para isso). Os Skàlgropar, um tipo de petroglifo comum na escandinávia, eram conhecidos como Älvknarnar (moinhos élficos), apontando para seu suposto uso.
 Pode-se apaziguar as elfas com uma oferenda (de preferência, manteiga) posta em um moinho élfico- um costume, talvez derivado do alfablót dos antigos nórdicos.
  Para se proteger das elfas malévolas, os escandinavos costumavam gravar a chamada " Cruz élfica" (alfkrors, älvkrors ou ellakors) em edifícios e objetos. Uma de suas formas era um pentagrama, ainda frequente nas portas, paredes e utensílios da Suécia no século XX. A outra era uma cruz comum gravada em uma placa de prata redonda ou oblonga, usada como pingente de colar, que devia ser forjada durante três tardes com prata herdada . Em alguns lugares também precisava ser posta no altar de uma igreja por três domingos consecutivos.
   As elfas podem ser vistas dançando nos prados, principalmente à noite ou em manhãs brumosas. Se um humano observar a dança das elfas por umas poucas horas, pode descobrir que se passaram muitos anos no mundo real. Elas deixam um circulo onde estiverem dançando, que é chamado alvdanser ( danças élficas) ou alvringar ( anéis élficos), e acredita-se que urinar neles causa doenças veneras. Pisá-los ou destruí-los também é perigoso. Geralmente, os anéis élficos são formados por pequenos cogumelos, ou são áreas circulares onde a grama foi achatada.
Se se interessou por anéis mágicos, que também servem de passagem para outros reinos, leia a postagem no meu blog adancadasfadas.blogspot.com que fala sobre o famoso anel das fadas.

Elfos no folclore Alemão:


No épico medieval alemão Nibelungenlied ( A canção dos Nibelungos), um anão chamado Alberch tem um papel importante. Alberich significa literalmente " Rei elfo ", o que contribui para a confusão entre anões e elfos, já observada nos Edda. Através do francês Alberon, o mesmo nome originou o inglês Oberon - rei dos elfos e das fadas ( fairies ) em Sonho de uma niote de verão de Shakespeare.
 No folclore alemão posterior à cristianização, os elfos passaram a ser descritos como entidades travessas que causam  doenças ao gado e as pessoas e trazem maus sonhos. A palavra alemã para pesadelo, albtraum, significa " sonho élfico ". A forma arcaica albdruck significa " peso ou pressão" do elfo, acreditava-se que os pesadelos eram resultado de um elfo sentando-se sobre o tórax do sonhador. Esse aspecto da crença alemã nos elfos corresponde em boa parte à crença escandinava nos Mara e às lendas cristãs sobre íncubos e súcubos.
  A maioria dos elfos em baladas medievais inglesas são do sexo masculino e freqüentemente de caráter sinistro, inclinados ao estrupo e assassinato, como o Elf- knight (cavaleiro elfo ) que rapta a rainha Isabel. A única elfa mencionada com freqüencia é a rainha dos elfos, ou Elfland. Já nos contos populares do ínicio da Idade moderna, os elfos são descritos como entidades pequenas, esquivas e travessas, que aborrecem os humanos ou interferem em seus assuntos.

A lenda do elfo Garcone

      Existe um elfo irlandês conhecido como Garcone que se parece muito com um cigano, de olhos escuros e pele quase negra. Cujo o nome significa " o que fala de amor", que gosta de seduzir as mulheres mortais. Os aldeões irlandeses começaram a acreditar que existia uma praga ou castigo divino, pois não viam outra explicação para tantas mulheres jovens morrerem ao longo de toda a Irlanda. E todas tinham as mesmas características: eram jovens, bonitas e muito ingênuas. Todas, sem exceção, entravam em profunda depressão, definhavam e morriam. Em todas as aldeias, sem qualquer motivo aparente, choravam sem parar em grande tristeza. Tornavam -se opacos e sem vida, seus olhos, e suas bocas ficavam emudecidas pela dor de seus corações e durante todo esse tempo sussurravam uma única palavra: "Garconier ".
  Garconier ou Garconer era um elfo que se fazia passar por cigano, que com doces palavras conquistava as moças, menos precavidas. Era fácil enganá-las, um longo olhar, um beijo na mão, uma flor de despedida, um sorriso malicioso e não tardava para a jovem infeliz apaixonar-se por ele. Muitas vezes, ao invés das palavras, ele cantava antigas baladas, em uma língua desconhecida, que só compreendiam seus corações apaixonados e elas sentiam inflamar seus sonhos de donzelas que ansiavam encontrar o amor em seu estado mais puro. As moças floresciam com o calor de seus beijos, até um dia ao tentarem encontrarem-se com o amado, descobrirem que ele tinha partido. Grande desespero então, tomava conta delas. O chamava, suplicavam aos céus que ele regressasse para elas. Porém, nunca mais tinham noticias deles. As jovens, coitadas, se apagavam como velana ausência dele. Perdiam totalmente a vontade de viver e acabavam morrendo de amor. Existia um provérbio irlandês que dizia: " Quem encontra Garconer, pode tecer seu sudário." As moças morriam, mas Garconer seguia em frente e com seu sobretudo vermelho, ia seduzindo as mulheres que alimentavam a sua paixão durante um certo tempo, ou até quando desejasse conhecer outras, a paixão tem muitos rostos, cada mulher era um mundo, cada novo amor um sabor distinto. Desse modo, Garcone percorreu toda a ilha, sempre cantando na sua língua estranha, deixando um caminho de corações partidos e vidas extintas a cada passo.

A faceta sombria dos duendes

   Estes seres demonstram capacidade de atrapalhar o sono das pessoas, molestar moças, provocar pesadelos e mal- estar físico. No Brasil, existe a lenda dos Aneros. Acredita-se  que esses seres pertubariam o repouso dos viajantes e provocariam neles desorientação.
  Os Barabahen, na Itália também são fontes de sonhos bizarros e inquietantes.
  O Batibal, nas Filipinas, inibe a respiração de quem dorme.
O Calcarot se sentaria sobre o peito das pessoas que dormem, atrapalhando-lhes o sono. Um comportamento parecido é aquele do Carchett, na Suíça, que na maioria das vezes provocaria sonhos angustiantes, roubando as cobertas dos infelizes que escolhe para atormentar.
 Outra característica desses seres mitológicos é seu interesse por mulheres jovens.
Os Cauzietti, anões peludos com aproximadamente 20 cm de altura, adoram aterrorizar as moças, roubando-lhes seus bordados. Já os Fajetti, da Calábria, Itália, invadem as casas dos camponeses durante à noite e se divertem ao provocar uma ensurdecedora bagunça. Às vezes, escondem as coisas e importunam jovens (sempre mulheres). Os Follat entram embaixo das saias das moças para espiar suas pernas. E o Gambastorta (que significa pernas tortas) esconde objetos, faz tilintar os vidros das casas e desloca as telhas.  Este interesse particular dos duendes por mulheres jovens poderia estar relacionado à herança sexual dos seres humanos e, de maneira específica, pelo sexo feminino.
  Na região Norte da Itália existe a muito séculos a crença na existência de uma criatura em forma de fada que seria uma mistura de duende e elfo. Essa criatura é chamada Zampa di Gal (perna de Gal) e era comum que se colocasse na entrada do Vale de Gênova e esperasse a passagem de jovens mulheres para seduzi-las. Outros duendes semelhantes, residentes nos Alpes, seduziriam as belas jovens fazendo-as desaparecer para, logo em seguida, brincarem de procurá-las. Este é um fenômeno que não tem nada de divertido, cuja interpretação pode esconder raptos.
   Na cidade de Reggi, Calábria, acreditava-se que o Fuddettu passasse o seu tempo brincando com as crianças que dormiam, colocando-as em posições muito estranhas.
  O L'Omino della Rena (homenzinho da rena) é outro duende que faz as crianças dormirem, porém com um artifício pouco agradável:  lança em seus olhos um pouco de areia, forçando-as a fechá-los.
Na Italia, existe também a lenda do Omino del sonno (homenzinho do sono) , que é um ser que se comporta exatamente como o citado anteriormente, porém também invadindo as casas através das paredes de portas fechadas. Os Salvanelli, igualmente italianos, hipnotizam suas vítimas para induzi-las a praticar atos estranhos e impensados. Possuem uma enorme cabeça, mãos e pés disformes e sua altura é de pouco mais de um metro.  Os Salvanelli, ao contrário, possuem aproximadamente 75 cm de altura, uma estrutura corporal muito fina e magra, e se divertem assustando o gado, invadindo as casas dos camponeses para aterrorizar as crianças na hora de dormir e, finalmente à noite, perturbando os viajantes.
 O Grogach possui as dimensões de uma criança, cabeça grande e corpo flexível, devido à falta da coluna vertebral. O Wichetlein, um anão minerador da região de Piemonte, na Itália, possui um corpo delicado, com pernas pouco desenvolvidas e uma cabeça pontiaguda sobre a qual um chapéu negro.
  Vogghee Lino, com 30 cm de altura, é um duende de aspecto agradável,mas quase totalmente calvo.
 Os Salvani são feios e deformados e à noite se agitam intensamente impedindo o sono dos camponeses.
Os Sangmanelli possui aproximadamente 60 cm de altura, formação corpórea muito magra e uma coloração palidissima e quase espectral. Estes duendes também se agitam na zona rural durante à noite, fazendo sinistras brincadeiras com pobres peregrinos que por ventura estiveram de passagem por lá.
 Conta-se que os Shaquos raptam meninos e meninas deixando em seu lugar um duende decrépito e idoso.
   Os Serval, do Nordeste da Itália, desejam assemelhar-se ao homem e, conta a lenda que frequentemente trocam suas crianças recém-nascidas pelas humanas. Já nas lendas do Leste da Rússia aparece a figura do Cattivora, um gênio maléfico com olhos hipnóticos e mãos dotadas de longas unhas pontiagudas, adaptadas para agarrar crianças. Acredita-se também que, dentro de algumas cavernas, habitem perigosas criaturas que saem durante a noite para raptar crianças perdidas, a fim de devorá-las. Na região de Tentro, também ao Norte da Itália, conta-se a história de um duende que tem a faculdade de provocar vertigens e visões nos seres que se aproximam da gruta onde habita. Aprisiona qualquer um que ouse pisar sobre a sua pegada e, em alguns casos, rouba a alma das pessoas.
  Antigamente se cogitava que sendo um povo em extinção, as fadas procurassem reproduzir-se juntando-se aos seres humanos. Porém, na falta de representantes masculinos disponíveis, substituíam as crianças sadias e belas pelas suas, doentes. Ainda não é o claro o motivo pelo qual os antigos acreditavam que as fadas estavam por extinguir-se. Entretanto, é interessante notar o fato de que, para muitos raptados, era relatado a necessidade urgente desses seres cruzarem a sua raça com a humanidade, a fim de eliminar a fraqueza genética existentes em seus genes. Para entender um pouco melhor sobre as  fadas e seus raptos, leia a postagem " Fadas que raptam crianças" no meu blog: adancadasfadas.blogspot.com.

  Outra fábula digna de nota é aquela que narra a história dos anões- gigantes, seres que em uma noite raptaram a filha de um rico camponês, colocando em seu lugar uma criatura de sua espécie. No dia seguinte, os pais da garota não conseguiam explicar como, de uma hora pra outra, a pele da menina havia ficado cinza e seus olhos negros, quase como carbono. Após vários anos, a estranha criatura que havia crescido de maneira selvagem era capaz de ações maquiavélicas, desaparecera para sempre.