sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Centauros



Oi Gente? Tudo bem com vocês, meus gnominhos queridos? Hoje, vamos falar um pouco sobre criaturas não tão queridas, e que eu odeio DEMAIS! Os centauros. Não gosto deles porque eles são tudo de ruim que uma mulher poderia desprezar em um homem. São selvagens e bêbados. Mesmo assim, quero postar algo sobre esses elementais da terra, nada amistosos.

Na mitologia grega, os centauros, "matador de touros", são uma raça de seres com o torso e cabeça humanos e o corpo de cavalo.
Viviam nas montanhas de Tessália e repartiam-se em duas famílias:
  • Os filhos de Íxion e Nefele, que simbolizavam a força bruta, insensata e cega. Viviam originalmente nas montanhas da Tessália e alimentavam-se de carne crua. Alternativamente, consideravam-se filhos de Kentauros (o filho de Íxion e Nefele) e algumas éguas magnésias, ou de Apolo e Hebe. Conta-se que Íxion planejava manter relações sexuais com Hera, mas Zeus, seu marido, evitou-o moldeando uma nuvem (nefele, em grego) com a forma de Hera. Posto que Íxion é normalmente considerado o ancestral dos centauros, pode se fazer referência a eles poeticamente como Ixiónidas.
  • Os filhos de Filira e Cronos, dentre os quais o mais célebre era Quíron, amigo de Héracles, representavam, ao contrário, a força aliada à bondade, a serviço dos bons combates. Os centauros são muito conhecidos pela luta que mantiveram com os Lápitas, provocada pelo seu intento de raptar Hipodâmia no dia da sua boda com Pirítoo, rei dos Lápitas e também filho de Íxion. A discussão entre estes primos é uma metáfora do conflito entre os baixos instintos e o comportamento civilizado na humanidade. Teseu, um herói e fundador de cidades que estava presente, inclinou a balança do lado da ordem correcta das coisas, e ajudou Pirítoo. Os centauros foram expulsos da Tessália e vieram a habitar o Épiro. Mais tarde Héracles exterminou quase todos.
    Cenas da batalha entre os Lápitas e os centauros foram esculpidas em baixo relevos no friso do Partenão, que estava dedicado à deusa da sabedoria Atena.

     Os centauros  são seres representados como parcialmente humanos e parcialmente eqüinos. Desde as mais antigas representações gregas, são pintados com um torso humano unido pela cintura à nuca de um cavalo. Às vezes, têm também as orelhas compridas e pontudas e os narizes chatos característicos dos sátiros.
     São vistos muitas vezes como seres semi-animalescos, divididos entre uma natureza humana e outra animal. Outras vezes, também são vistos como encarnação da natureza selvagem, como em sua batalha com os lápitas. Entretanto, alguns centauros, como Quíron, fazem o papel de sábios mestres de heróis.
     Às vezes, em tempos recentes, os centauros propriamente ditos, com corpo de cavalo, são chamados de hipocentauros para distingui-los de seres com corpo de asno (onocentauros) ou de boi (bucentauros) citados por bestiários medievais e outros seres centauróides inventados em tempos modernos pela literatura de fantasia.

    Os centauros (Κένταυροι, Kéntauroi em grego) são seres representados como parcialmente humanos e parcialmente eqüinos. Desde as mais antigas representações gregas, são pintados com um torso humano unido pela cintura à nuca de um cavalo. Às vezes, têm também as orelhas compridas e pontudas e os narizes chatos característicos dos sátiros.
    São vistos muitas vezes como seres semi-animalescos, divididos entre uma natureza humana e outra animal. Outras vezes, também são vistos como encarnação da natureza selvagem, como em sua batalha com os lápitas. Entretanto, alguns centauros, como Quíron, fazem o papel de sábios mestres de heróis.
    Às vezes, em tempos recentes, os centauros propriamente ditos, com corpo de cavalo, são chamados de hipocentauros para distingui-los de seres com corpo de asno (onocentauros) ou de boi (bucentauros) citados por bestiários medievais e outros seres centauróides inventados em tempos modernos pela literatura de fantasia.

    Centauros da Tessália


    Segundo seu mito mais conhecido, os centauros eram um povo primitivo que vivia em cavernas nas montanhas, caçava animais selvagens para comer e usava pedras e galhos de árvore como armas. Teriam nascido do estupro da ninfa Néfele (uma das Néfelas) por Íxion, o ímpio rei dos lápitas, povo que os gregos consideravam como inventores da equitação.
    Sua prole foi levada ao Monte Pélion, na Tessália, onde as filhas do deus-centauro Quíron os alimentaram e criaram até a idade adulta. Foram então convidados para o casamento com Hipodâmia de seu meio-irmão Pirítoo, filho de Íxion e novo rei dos lápitas, mas se embebedaram e tantaram raptar a noiva e as convidadas.
    Na batalha que se seguiu, os centauros foram trucidados, com ajuda do herói Teseu, mas um herói lápita chamado Ceneu, que era invulnerável a armas, foi massacrado por centauros que lhe jogaram rochas e galhos de árvores. Esse embate, conhecido como centauromaquia, foi freqüentemente representado na arte como metáfora para o conflito entre os baixos instintos e o comportamento civilizado. Um dos sobreviventes do massacre foi o centauro Nesso, que fugiu para a Etólia, às margens do rio Eveno e se estabeleceu como balseiro. Quando Héracles passou com a noiva Dejanira, Nesso a levou no lombo através do rio, mas o desejo o levou a tentar violentá-la. Ela gritou e Héracles o matou com suas flechas envenenadas. Nesso, ao morrer, persuadiu Dejanira a guardar um pouco do seu sangue envenenado e usá-lo para encantar Héracles se um dia ele a abandonasse. A artimanha acabou por levar à morte do herói.


    Centauros do Peloponeso


    A mitologia fala também de um povo de centauros que vivia no Oeste do Peloponeso. Héracles quando caçava o javali do Erimanto, foi hospedado por um deles, Folo. O herói exigiu vinho, mas o centauro só tinha um odre de vinho sagrado de Dioniso. Ao ser aberto o receptáculo, o aroma da bebida enlouqueceu os demais centauros, que lutaram com o herói para tomar-lhe a bebida. Héracles matou a maioria deles a flechadas.
    O grande Quíron, ferido acidentalmente, acabou abrindo mão de sua imortalidade por não suportar as dores e foi transformado na constelação do Sagitário. Também Folo acabou morrendo ao examinar uma das flechas envenenadas e deixá-la cair em seu pé, sendo então transformado na constelação do Centauro.
    Um grupo de centauros, sobreviveu, porém, refugiando-se no sul da Lacônia ou em Elêusis, onde foram protegidos por Poseidon.
    Esses centauros parecem ter sido originalmente distintos daqueles que lutaram contra os lápitas, embora muitos escritores combinem os dois mitos.


    Centauros de Chipre 

    mitologia também menciona uma tribo de centauros com chifres de touro, nativa da ilha de Chipre. Eram, provavelmente, espíritos da fertilidade (daimones) locais, do cortejo de Afrodite, provavelmente relacionados aos Cerastas, sacerdotes da deusa que usavam chifres de boi.
    No mito, os centauros cipriotas haviam nascido de Gaia, a Terra, quando ela foi acidentalmente engravidada por Zeus em sua tentativa fracassada de seduzir Afrodite quando ela acabava de emergir do mar.


    Centáurides

     Ainda que não apareçam nos mitos mais antigos, as centáurides (centauros fêmeas) são também mencionadas na arte e literatura da Antiguidade. Uma delas aparece em um mosaico macedônico do século IV a.C. e Ovídio conta a história de uma centáuride chamada Hilônome que se suicida quando seu amante Cilaro é morto na guerra contra os lápitas. 


    Quíron 

     
    Quíron nasceu da união do deus Cronos e da ninfa Filira, que estavam em plena cópula quando surgiu Réia, a esposa de Cronos. Este tomou a forma de um cavalo para se disfarçar e o filho da ninfa nasceu meio homem, meio cavalo.
    Sendo filho de um Titã, Quíron era imortal, um deus em forma de centauro e pode ter sido originalmente um deus tessálio da medicina. Seu papel foi, entre outras coisas, de médico. Seu nome relaciona-se com kheir, "mão". Pode ser interpretado como "hábil com as mãos" e relacionado à palavra grega kheirourgos, "cirurgião". Foi também astrólogo, oráculo e mestre de vários heróis, inclusive Héracles, Jasão, Peleu, Asclépio, Aristeu e Aquiles.
    Quíron viveu no monte Pélion, na Tessália e casou-se com a ninfa Cáriclo. Teve com ela três filhas, Hipe (também chamada Melanipe or Evipe), Endeis e Ocíroe e um filho, Caristo.
    Na luta com os centauros do Peloponeso, uma flecha de Héracles atingiu Quíron e a ferida incurável o fez sofrer mortalmente, embora não pudesse morrer. Por não poder curar a si mesmo, abriu mão de sua imortalidade em favor de Prometeu e foi transformado na constelação do Sagitário.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

07 de dezembro -DIA DE GHOB, o rei dos duendes

Ghob é o Rei dos Gnomos, também conhecido como Chobb, e costuma andar em companhia de Uriel, arcanjo que governa esta categoria de elementais.
Ele governa o reino mineral e pode conferir o ouro espiritual.
O Rei Ghob fornece os poderes mágicos aos gnomos e a força para que eles consiguam proteger os tesouros secretos da humanidade.
É poderoso e comanda todo o mundo místico dos gnomos e duendes.
É atarracado, pesado e denso; aparece na imagem tradicional do gnomo, ou “goblin”, transparecendo
idade avançada, força animal e uma grande sensação de “peso” intrínseco. Procure andar descalço na natureza enquanto visualiza o que deseja, abrace uma árvore frondosa e ofereça algumas pedras a Ghob em sinal de agradecimento por todos os tesouros da sua vida!!!
No seu dia, oferte-lhe um pequeno tesouro, deixe em uma caixinha algumas moedas douradas, doces e balas e outros objetos pequeninos enterre-a oferecendo esses “tesouros” a Ghob.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Duendes populares


ABATURC:É o duende protetor do trabalho.

 BASY: É o duende do dinheiro, que nos ajuda nos jogos de azar e nos protege da justiça. Se tuas preferências são jogos ou possui questões na justiça, ele te protegerá de inimigos e dívidas.

 BERGFOLK: É um duende doméstico escandinavo de diminuto tamanho. Possui um comprido nariz e pode tornar-se invisível, ou por vontade própria, adotar a forma de um animal ou objeto. É de grande ajuda com as tarefas domésticas.Em toda a casa que existe um Bergfolk há muita alegria, ordem e boas energias.

 BERGMALLENÉ um duende que habita nas montanhas Suíças. Possui uma estatura muito diminuta e é invisível para o olho humano. É um perito em ervas medicinais e gosta de dançar à luz da lua. Com um Bergmallen morando em seu lar, seguramente ele será muito alegre. O duende também ajudará a tomarmos boas decisões e a encontrar um bom terapeuta

 BOGGARTÉ um duende inglês doméstico. É muito travesso e aficionado em assustar as famílias movendo objetos da casa. Gosta de apresentar-se na forma de animais. Possui a virtude de conceder desejos.

 
BROWNIE: Esse é o nome de um dos duendes domésticos mais clássicos das ilhas Britânicas. Recebe diversos apelidos segundo a região ou local onde habita. Possui o aspecto que um homenzinho muito pequeno, é muito peludo, apresentando pele escura, rosto enrugado, por vezes, não apresentam nariz e não possuem os dedos separados. Somente o polegar separa-se dos outros quatro dedos que estão unidos em um só. Ele é muito serviçal e gosta de brincar com os cachorros. Adora comer pequenos pedaços de pão de centeio e beber cerveja preta. O Brownie possui a virtude de atrair boas energias e converter uma situação desfavorável em favorável. 

 BUSGOSUÉ um duende dos bosques asturianos, aparentado do clássico e mitológico fauno. Seu rosto, tronco e mãos são de aparência humana, mas da cintura para baixo é similar a uma cabra. É um ser inofensivo que possui propriedades protetoras para o bosque e ajuda todo aquele que se perde nele, indicando-lhes a saída. Ele é a personificação da bondade. Com um Busgosu ao seu lado não terá medo de seguir em frente, pois ele sempre lhe indicará o melhor dos caminhos.



CLAUS: É o duende que nos outorga bem-estar e equilíbrio

 CLION: Esse duende nos outorga muita força e nos protege com seu círculo magnético que nos energiza.

 
 DRAGAMM: É o duende que se dedica à proteção e cuidado dos minerais e metais preciosos. Possui a virtude de atrair bens e valores materiais, esse dentro de seu estado natural. Com Dragamm conseguirás bens materiais e alcançará uma boa posição social

 EDOSS: É o duende que nos ajuda a trabalharmos a falta de confiança de nós mesmos, como também, os sentimentos de inveja e ciúmes que obscurecem nossa aura. O descrédito pessoal pode levar-nos à desejos destrutivos. Edoss com seus raios de arco-íris nos traz harmonia e segurança. 

 EUNSECH: É um duende muito poderoso, que tem por atributo afastar pessoas maliciosas de nossas vidas. Possui uma grande força interior e uma paciência infinita, ajudando-nos nos momentos mais difíceis. Com Eunsech sempre obterás muita paz.

 GINN: É um duende árabe que se alimenta de fumo. É muito útil aos homens, ensinando-lhes ciência e medicina ou inspirando-lhes poesia. Com Ginn encontrarás inspiração e criatividade

 HARUKO: Esse duende doméstico tem um poder surpreendente e cuida da família que escolheu para viver, não permitindo que nada nem ninguém lhes cause algum dano

 HATMIE: É o duende encarregado de cuidar da saúde dos humanos. 

 HERSHEY: É o duende que cura nossas dolências físicas, espirituais e psíquicas, atuando com o poder ancestral da Deusa Danann. Com Hershey sentirás bem-estar físico e mental que permitirá desenvolver tudo que desejas

 JEFTE: É o duende que deve ser invocado para acomodar situações de trabalho e dinheiro

 JURRY: É o duende que habita o dormitório das crianças para protegê-las

 KOBOLD: É um duende germano que vive no interior das árvores sagradas. Entretanto, quando escolhem uma casa para viver, se escondem nos lugares mais escuros e não se movem dali. Ele dedica-se à proteger as dinastias duêndicas da raça humana. Adotando um Kobold encontrarás a força de vontade para alcançar as tuas metas, inteligência para aplicar em teus estudos, atrair riquezas e amores

 LUGH: É o rei dos duendes que usa um bastão como vara mágica. Ele nos ajuda no trabalho e converte nossas pobres arcas em caldeirões de abundância e prosperidade. Com Lugh nunca de faltarás dinheiro

 MOICO: É o duende amigo das mulheres, auxiliando nos chamados de amor e fidelidade e em tudo que se refere ao cônjuge. Com Moico florescerá o amor, existirá fidelidade entre casais e melhoram as relações afetivas de todo o tipo.

 
NAOMO: É o duende que possui a missão de proteger e cuidar de pessoas e animais. É um poderoso guardião que detesta a aspereza, a mediocridade e a grosseria. Ajuda também para solucionar depressões e angústias. Com Naomo, obterás proteção para teus entes queridos e ajuda nos estudos.

OLDH: É o duende que propicia a saúde, a gravidez e aumenta a fé. Alivia o mal-estar, as dores de cabeça e problemas gástricos.


PHOOKA (PUCK): É um duende irlandês que adota diversas formas de animais. Algumas vezes, aparece na figura de um cão, um cavalo, um touro ou uma cabra. Vive em ruínas ou em casas abandonadas, porém à noite pode realizar trabalhos domésticos na casa de alguma família. Phooka pode nos ajudar a redesenhar nosso lar, tornando-o mais funcional

PRISCOB: Duende que concede desejos aos integrantes da família que escolheu para residir. 

  
 PRIPARCHIS: É um duende doméstico encarregado de preservar a saúde dos animais de estimação da casa onde vive.

 
PYLOO: É o duende que propicia o amor, a união, a harmonia entre casais e famílias. Ele nos ajuda prontamente, enviando seus raios violetas que transmutam todo o negativo em positivo


 RIMON: Duende brincalhão e alegre que pode ser visto à margem dos lagos, confeccionando vasilhas de barro. Com Rimon terás bem-estar, proteção e muita alegria . 

 RÍSCOLO: 
 RUSTY: É um duende que trabalha a terra incansavelmente. Passa muito tempo cuidando seu território, nos ajuda na troca de trabalho e cuida das plantas. Com Rusty não lhe faltará trabalho e terá suas plantas de jardim protegidas

 RUPALO: É o duende que se invoca para problemas de dinheiro, cobranças e justiça. Com Rupalo obterás proteção para todas as questões econômicas e judiciais

 SMARK: É um duende de proteção que afasta todo o mal. Ele nos coloca em uma bolha dourada fazendo com que as más energias não nos afetem. Ele é muito especial, pois cuida e amo todos os idosos e as crianças.

 TRUPPTY: É um duende protetor dos apaixonados. Para ele podemos fazer pedidos para encontrarmos o verdadeiro amor

 URUKK:É o duende que protege as crianças evitando que tenham pesadelos.

VERNY: É o duende que nos ajuda a nos libertarmos do baixo astral e limpa nosso lar ou casa de negócios.
 VIKRAN: É o duende que outorga força, entusiasmo, saúde, dinheiro e amor eterno.Ele está sempre afugentando todo o mal de nossas vidas. Na noite de Natal é sempre bom presenteá-los com uma taça de vinho, mel e avelãs.

 YARK: É o duende nos presenteia com muita paciência e entendimento. Só ele nos envia a vibração necessária para lograr a calma

 WULL: É o duende que afasta a tristeza e depressão. Outorga também, a beleza e a sedução.

Horóscopo dos duendes



ÁRIES

(de 21 de março a 19 de abril)

Áries é um signo muito ativo, energético, entusiasta e é regido pelo gnomo "HARUMH" que assessora o duende "VERNY". As pessoas nascidas sob signo de Áries são guerreiras, decididas, que sempre olham para o futuro. Possuem também um caráter colérico, emotivo, ansioso e extrovertido, que se traduz na constante necessidade de ação e pela impaciência, aspectos que são compensados por uma atitude moralista face à vida, às vezes exclusivista, intransigente ou, em certas ocasiões, até sectária. Psicologicamente, Áries é o signo da ação. Entusiasmo cego, falta de perspicácia, precipitação, que levam a crises de desânimo, porém é nessas horas que deve pedir ao gnomo HARUMH para estar contigo, pois é ele que ajudará no aprendizado do controle da impulsividade e da impaciência. Já o duende VERNY, é mestre na arte de encontrar saídas positivas e criativas a tua agressividade natural. É importante para a evolução espiritual dos arianos aprender a pensar nos demais e deixar de ter atitudes tão arrogantes, intolerantes e desagradáveis em sua vida. Para invocar o gnomo HARUMH e o duende VERNY, acenda uma vela da cor violeta e queime um incenso de limpeza.

 TOURO

(de 20 de abril a 20 de maio)

Touro é o signo da tranquilidade, dos pés assentados na terra e é regido pelo gnomo "ZOCOSS" e pelo duende "JEFYTE". As pessoas do signo de touro nasceram para criar raízes, manter costumes e tradições. De fato, não suportam mudanças. Aspiram a viver em condições confortáveis e estão sempre procurando uma segurança material que lhes permitam viver com toda a tranquilidade. Como ZOCOSS é o gnomo administrador do dinheiro, sua ajuda será muito valiosa para que todo o taurino seja bem sucedido nessas questões. Já o duende JEFYTE deve ser invocado quando se procura um novo trabalho. Para invocar o gnomo ZOCOSS e o duende JEFTE, acenda uma vela amarela, chame-os pelo nome e depois enterre 3 moedas douradas.

 GÊMEOS

(de 21 de maio a 21 de junho)

Gêmeos é o signo do poder de adaptação às circunstâncias mais variadas, da inteligência flexível e viva, da comunicação, da eloquência e da sociabilidade, que é regido pelo gnomo "GIAFAR" e o duende "CLION". Entretanto, os nascidos sob signo de gêmeos, possuem temperamento melancólico, nervoso e emotivo. Despreocupação e frivolidade que engendram muitas vezes um comportamento irresponsável. Possuem também, a tendência para jogar com a sua vida muito mais do que vivê-la, tudo para não levar nada a sério e permanecer um eterno adolescente. Identificam-se com os outros por mimetismo, por jogo ou com a esperança de descobrir sua verdadeira identidade. Mais do que qualquer outro signo, Gêmeos precisa do olhar dos outros para saber quem é. O gnomo GIAFAR é o guardião amigo que lhe estenderá a mão no momento em que for invocado. Juntamente com o duende CLION lhe ajudarão a aprender a dominar a impaciência, a ansiedade e o nervosismo que as vezes não permitem que se concretize adequadamente seus planos. Para contatá-los lhes ofereça pedaços de pão de centeio com mel, que podem ser colocados em um pequeno prato e depositado em qualquer cantinho escuro da casa. Acenda, em seguida, uma vela verde e chame-os pelo nome.

 CÂNCER

(22 de junho a 22 de julho)

Câncer é o signo do sonho, da sensibilidade, da ternura, da doçura, da imaginação e da memória tenaz que fixa e idealiza as recordações, acontecimentos e sentimentos ocorridos no passado para se proteger contra as incertezas do futuro. Esse signo é regido pelo gnomo "PAN" associado ao duende "YARK". Psicologicamente, os nascidos à luz desse signo, permanecem à nível do período da infância, carnal e sensitiva, aspirando sempre a reencontrar ou a preservar. Para os cancerianos, o amor é um conto de fadas, com príncipe e princesa encantada, mas também existe muitos monstros ameaçadores que devem ser enfrentados. O gnomo PAN será um grande auxiliar quando importantes decisões na vida referem muita meditação e calma. Será o duende YARK que entrará em ação para a calma se estabelecer, podendo-se assim, alcançar o pleno entendimento. Para invocá-los acenda uma vela marrom e deixe uma oferenda de pão molhado no leite em qualquer jardim florido.

LEÃO

(23 de julho a 22 de agosto)

Leão é o signo da ambição por excelência, do feliz e radiante domínio das circunstâncias, das aparências, da necessidade de admiração, da aspiração à supremacia, características que podem dar lugar ao orgulho e à tirania. Esse signo é regido pelo gnomo "RASCHIB" associado ao duende "EDOSS". O leonino é muito autoconfiante, justamente por ter como guardiões esses dois seres elementais. RASCHIG é o gnomo que trabalha aumentando a auto-estima e realizando a limpeza do campo aúrico. Em seguida, o duende EDOSS complementa esse trabalho banhando a aura com seus raios de arco-íris. Sempre que precisar uma dose extra desse tratamento que conduz à total harmonia, invoque-os acendendo uma vela de mel que deve ser colocada em cima de um desenho ou imagem de um arco-íris. Depois que a vela se apagar, queime a figura de papel do arco-íris e jogue suas cinzas em um jardim.

 VIRGEM

(23 de agosto a 22 de setembro)

Virgem é o signo da ordem, da organização, da precisão, do espírito de serviço, da preservação dos bens adquiridos, da modéstia ou da humildade, que conduzem às vezes a pessoa nascida sob esse signo a sub-valorizar-se ou sub-valorizar os demais. Possue ainda, um temperamento interiorizado, com uma forte tendência de se fechar dentro de si mesmo. Esse signo é regido pelo gnomo "MOBARAK" associado ao duende "OLDH". Como os nascidos sob à luz desse signo almejam alcançar a perfeição, sempre haverá um desgaste físico e energético muito importante. Arrastados por seus sentimentos, os nativos desse signo podem inclusive perder a razão. Portanto, será necessário periodicamente, invocar seus espíritos guardiões para auxiliá-los. O gnomo MOBARAK será de muita utilidade, principalmente quando o problema é com a saúde. Seu associado, o duende OLDH, deve ser invocado quando o comprometimento é na região abdominal.

 LIBRA

(23 de setembro a 22 de outubro)

Libra é o signo da justiça, da procura de equilíbrio, da harmonia, características que podem levar a pessoa nascida sob esse signo a responsabilizar-se por compromissos excessivos. Esse signo é regido pelo gnomo "JENNY" associado ao duende "PYLOO". Psicologicamente, esse signo corresponde à tomada de consciência da independência e das opções que essa implica. A partir daí, é como se o nativo desse signo tivesse de se preparar para transformar-se em um ser independente, preservando ao mesmo tempo suas experiências. JENNY será um grande auxiliar para caminhar ao seu lado nessa jornada, pois ele trará equilíbrio no que se refere à relacionamentos amorosos. PYLONN, por sua vez transmutará todas as energias negativas para positivas com seus raios violetas. Para invocá-lo basta acender uma vela da cor violeta e deixar ao lado um pratinho com um pouco de mel.

 ESCORPIÃO

(23 de outubro a 21 de novembro)

Escorpião é o signo da paixão, dos impulsos, dos instintos, das forças psíquicas às vezes exaltadas, características que fazem do nascido sob esse signo uma pessoa idealista, extremista, indomável, às vezes excessivamente empírica, destrutiva ou auto-destrutiva. Esse signo é regido pelo gnomo "HARUKO" associado ao duende "SMARK". Os nativos de escorpião possuem um temperamento impulsivo, agressivo, instintivo, apresentando um gosto acentuado pelos mistérios, segredos, enigmas para resolver, estudos e análises profundas. Gosta de dominar intelectualmente e quando ama, aspira possuir o corpo e a alma do outro. Para os nascidos à luz desse signo não há meias medidas, e portanto, podem atrair para si muitos inimigos e muitas energias negativas. HARUKO e SMARK podem ser grandes auxiliares, pois eles zelam pela proteção da pessoa que os invoca, encerrando-a em uma bolha dourada e não permitindo que nenhuma energia negativa a atinja. Para invocá-los acenda uma vela dourada e chame-os pelo nome.


 SAGITÁRIO

(de 22 de novembro a 21 de dezembro)

Sagitário é o signo da aventura, dos jogos da vida e da sorte, da expansão natural, da alegria de viver, que às vezes fazem do nascido sob esse signo uma pessoa que se deixa enganar, por ela mesma ou pelos outros, inconsciente ou pouco realista. Esse signo é regido pelo gnomo "OTBAT" associado ao duende "BASY". Os nativos de Sagitário são viajantes que aspiram a ampliar seus horizontes, sociais, geográficos e espirituais. Como são grandes jogadores, encontrarão no gnomo OTBAT toda a orientação necessária no que se refere ao tema de dinheiro. Já o duende BASY lhe dará toda a ajuda nos jogos e em tudo que se refere a azar. Para invocá-los acenda uma vela verde, chame-os e ofereça pedacinhos de pão de centeio com mel. Depois enterre 3 moedas douradas no jardim ou em um vaso bem florido.

 CAPRICÓRNIO

(22 de dezembro a 19 de janeiro)

Capricórnio é o signo da vontade ambiciosa, tenaz, lúcida, concentrada num objetivo único; do sangue-frio, do espírito lógico, racional e friamente calculista, características que fazem da pessoa nascida sob esse signo um ser distante, insensível e hermético. Esse signo é regido pelo gnomo "MAGREBIN" associado ao duende "VIKRAN". Psicologicamente, esse signo corresponde à tomada de consciência da independência do "EU", revelada pela faculdade de discernimento. Essa faculdade empurra o nativo desse signo a isolar-se para poder explorar todos os seus recursos interiores. MAGREBIN é o gnomo que com seus sete raios de poder revigora e dá entusiasmo para encarar a vida, para todos nascidos à luz desse signo. O duende VIKRAN complementa esse trabalho afugentando todo o mal. Para invocá-los, na noite de Natal ofereça-lhes uma taça de vinho, mel e avelãs.

 AQUÁRIO

(de 20 de janeiro a 18 de fevereiro)

Aquário é o signo da liberdade individual, mas também das preocupações sociais e humanitárias, da solidariedade, da cooperação, das idéias originais, que fazem do nascido sob esse signo uma pessoa rebelde a qualquer disciplina, instável ou excêntrica. Esse signo é regido pelo gnomo "IGOR" associado ao duende "RIMON". Os nativos desse signo possuem ausência total de ambição e, portanto, encontrarão no gnomo IGOR um guardião da prosperidade e da harmonia. Outro grande aliado também será o duende RIMON, que do mesmo modo que todo o sagitariano, gosta de movimento e muitas brincadeiras, o que torna o ambiente a sua volta leve e alegre. Para invocá-los plante 3 sementes de girassol, juntamente com três moedas douradas em um vaso de barro ou no jardim.

 PEIXES

(de 19 de fevereiro a 20 de março)

Peixes é o signo da receptividade psíquica, da intensa sensibilidade emocional, anda em busca de fusão, de entrega, do amor absoluto, romântico, místico ou religioso, que fazem da pessoa nascida sob esse signo um ser idealista e irracional. Esse signo é regido pelo gnomo "ELIO" associado ao duende "WULL". O nativo de peixes é idealista e inspirado, mas tem a tendência de alimentar angústias irracionais, de refugiar-se no auto-engano e de fugir do contato ou do enfretamento. ELIO será o gnomo que irá auxiliar que ajudará os nativos desse signo a superar as grandes desilusões, dando-lhes todas as condições para saírem dessas depressões. WULL também será de grande valia, pois ajudará no aumento da auto-estima. Para invocá-los pegue uma casca de noz e coloque ali três grãos de milho, três trevos de três folhas e um cristal. Enterre esse tesouro e ofereça-o para WULL e ELIO.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Doce mágico dos sonhos dos gnomos

Recita antiquíssima para despertar o amor que está adormecido em seu coração, não apenas por uma pessoa em especial, mas principalmente pela vida, pelo mundo, por todos os seres vivos. Funciona melhor quando preparado na lua-cheia.

Ingredientes necessários:

* 1 coco ralado
* 10 gemas
* 1 copo de água fervente
* 1/2 kg de açúcar
* canela em pó

Modo de fazer:

Faça uma calda em ponto de pasta com o açúcar. Coloque o coco ralado na água fervente e esprema num guardanapo, jogando fora o bagaço do coco. Junte esse leite do coco à calda e ferva por alguns minutos, acrescentando as gemas bem mexidas. Quando levantar fervura, retire a mistura do fogo, colocando-a em copinhos. Polvilhe com canela e sirva para todas as pessoas que gosta.


* Retirado do livro "Tudo o que uma jovem bruxa precisa saber".

Licor mágico dos Gnomos

Os Gnomos preparam este licor com ervas afrodisíacas e o bebem para preservar a juventude. Por isto, esta receita deverá ser preparada por uma mulher, que possui grande identidade com as plantas, por serem mais sensíveis.

Ingredientes necessários:

* Algumas cerejas
* Mel
* 2 pétalas de rosa
* 7 cravos-da-índia bem amassados
* Algumas folhas de hortelã
* 2 colheres de leite condensado
* 1 copo de vinho tinto ou suco de uva

Modo de fazer:

Em uma noite de lua-cheia, coloque as cerejas em um cálice e vá acrescentando os outros ingredientes, sendo que o vinho ou suco de uva deve ser o último, enquanto repete o seguinte encantamento:

"Gnomos amigos, gnomos queridos,
queremos ser belos de corpo e de alma,
tragam para nós o elixir da juventude
e que a vida passe com mais calma."

Mexa suavemente e deixe descansar por três dias, mexendo e procurando amassar os ingredientes, de vez em quando. No último dia, coe e beba junto com seu amor. O resto você pode jogar nas plantas do vaso e do jardim. 


*Retirado do livro "Tudo o que uma jovem bruxa precisa saber".

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Duende Clion




   O duende Clion é semelhante a um humano, mas mede 4 cm de altura.
Ele traz para nossa casa uma vibração de proteção pessoal a cada morador da casa é fiel à sua residência. Clion pode permanecer em uma única casa por décadas, mesmo que os moradores se mudem, e quando isso acontece, se ele não gosta dos novos moradores, os irrita até que eles se cansem e se mudem da casa.
O contato com Clion costuma ser bem interessante, pois ele se torna divertido ou desagradável até que você reaja a presença dele conforme o agrade.
Ele possui hábitos noturnos, realiza pequenos trabalhos domésticos, cuida dos espíritos das plantas (ninfas), energiza todos os cantos da casa, e dessa forma faz muito barulho, que muitas vezes assusta e acorda os outros.
Como trabalha bastante, sente fome e precisa ser alimentado e respeitado. Ele come quase de tudo, e até que os moradores percebam sua presença, eles beliscam restos ou pratos expostos na cozinha.
Para invocá-lo, ofereça a ele pão de centeio com mel, deixando em canto bem escuro da casa. Acenda uma vela verde em um cômodo próximo e chame-o pelo nome.

Como ganhar dinheiro com Trinka, a rainha dos duendes



magia das moedas de ouro


 Coloque dentro de seu caldeirão, ou de uma tigela, ou um copo de vidro transparente, e deixe em sua sala.
Comece esse encantamento numa Lua Nova.
Todos os dias, consecutivos, coloque uma moeda de qualquer valor, mas que esteja em circulação dentro do caldeirão ou outro recipiente escolhido.
Cada vez que colocar uma moeda, diga:

"Trinka, rainha dos duendes,
me traga o caldeirão de moedas de ouro,
Trinka, amada Trinka,
esta moeda é sinal de meu respeito por ti.
Trinka, poderosa Trinka,
duplique-as e transforme-as em ouro.
Trinka, Trinka, Trinka."

Então, quando o caldeirão ou recipiente ficar totalmente cheio, ponha em um saco de tecido, de preferência, dourado. Dê as moedas a uma senhora de 60 anos ou mais, pode ser parente ou não. Agradeça a Trinka pela presença em seu processo de encantamento das moedas.    

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

O que são Diabretes?


São conhecidos por perturbarem as pessoas.
No oeste da Inglaterra são conhecidos como pequenas fadas ruivas que gostam de perturbar as pessoas preguiçosas.
 Os Diabretes tem uma aparência inconfundível. Sua pele é de cor azul- elétrico, tem orelhas pontudas, narizes arrebitados e um estrabismo característico. Em geral, medem cerca de 20 cm, apesar de algumas histórias que podem ter o tamanho que quiserem. Os Diabretes vivem no subsolo, em cavernas ou bosques, mas podem se mudar para dentro de casa. Gosta de pregar peças nas pessoas e fazer todo tipo de brincadeiras de mau-gosto. Embora não sejam dotados de asas, sabe-se que podem agarrar humanos incautos pelas orelhas e levá-los para o topo das árvores ou de um edifício. O Diabrete emite uma algavia aguda que só pode ser entendida pelos seus iguais. Este animal gera seus filhotes.


Lenda dos Diabretes na Fajã de Vasco Martins

 Segundo a crença popular, os Diabretes, uma espécie de duendes, saíam de certas zonas da costa para apoquentar a vida das pessoas com quem se cruzavam. Normalmente surgiam nas localidades em certas noites do ano, mas com mais freqüência na noite de 2 de fevereiro. Assustavam as pessoas e os animais, revolviam as plantas da terra. Com medo, as pessoas, muitas vezes se fechavam em casa. Aqueles que podiam, fugiam da costa maritíma, onde eles apareciam em maior número.
 Na Fajã de Vasco Martins, pertencentes aos habitantes da localide de Toledo, existia um grupo de homens que se julgavam mais corajosos que os restantes e um dia resolveram que haviam de enfrentar os Diabretes. No dia 2 de fevereiro, preparam uma pescaria e foram para a casa de um deles na Fajã, armados de paus endurecidos no fogo, foicinhos e outras armas artesanais. À meia-noite nada de anormal tinha acontecido. Confiantes de que os Diabretes tinham medo deles, pararam a pescaria e foram para a casa da Fajã de um deles, onde se sentaram, riram e conversaram. Assaram peixe e beberam vinho produzido na Fajã. Perto da madrugada começaram a ouvir barulhos ao longe, que lhes parecia o sussurar do vento nas árvores, mas rapidamente aumentou e parecia o bramir do mar em dia de tempestade. Até que o crescente barulho deixou deixou de ser explicável, parecendo uma mistura de vários e diferentes sons que pareciam vir de todos os lados. A barulheira vinha do telhado, onde as telhas pareciam estar a partir-se, outras a serem arrastadas. Começaram pancadas fortes nas portas e janelas. Parecia que a casa abanava toda com o barulho. Os homens começaram a tremer e nem se arriscaram a abrir a porta ou a espreitar pelas janelas. Ficaram todo o resto da noite aconchegados num canto da casa, e só ao raiar da madrugada é que o barulho foi parando aos poucos, até desaparecer. Pensando não ter uma única telha no lugar e as terras estarem todas reviradas, saíram de casa mas parecia que não havia acontecido nada. As telhas, estavam todas em seus lugares. As plantas nos campos não tinham sido mexidas, tudo estava normal.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Leprechaun



 Leprechauns são originários da Irlanda e, como os irlandeses, são criaturas um tanto imprevisíveis.
Uma hora estão alegres, cantando e assoviando: de repente, ficam arredios e irritados sem causa aparente.
  Como acontece com todos estes seres, é importante que você veja o Leprechaun, antes que ele o veja, pois ele se torna então mais cooperativo e talvez possa levá-lo a um de seus potes de ouro escondido. Mas ele é muito astuto e traquina, capaz de desaparecer num piscar de olhos.
 O ouro é um prêmio raro.
Gostam de fumar seus cachimbos com toda calma e dificilmente podem ser enganados.
Adoram música e dança. Mas não vivem em comunidades porque são muito briguentos. Preferem o isolamento e o sossego de suas pequenas casas construídas nas raízes das grandes árvores irlandesas.
De vez em quando, são vistos fazendo movimentos giratórios como piões usando seus chápeus como eixo.
Após o seu trabalho diário, o Leprechaun gosta de se divertir à noite. Ele invade as adegas de vinho e "curte" sua bebedeira desenfreada no lombo dos carneiros ou cães pastores noite adentro.
Se algum dia, você encontrar um leprechaun escondido na floresta, prenda-o com firmesa em sua mão e não desvie os olhos dele por um só instante. Se piscar, mesmo que por fração de segundo, ele desapareçerá de sua vista. Mas se conseguir mantê-lo aprisionado pela força de seu olhar, o Leprechaun lhe revelará, em troca da liberdade, onde se esconde o pote de ouro no final do arco- íris. Mas cuidado, pois ele costuma enganar os outros, dando-lhes um falso ouro que pouco tempo depois, desaparece.

O Leprechaun é apresentado como um diminuto homemzinho, sempre ocupado a trabalhar em um único pé de sapato em meio às folhas de um arbusto ou "sob uma folha de labaça".
Ele é tido como o sapateiro do povo das fadas.

Acredita-se que eles tenham uma moeda de prata mágica, que volta à sua bolsa, depois de ser gasta.

Os Leprechauns são descritos como sempre alegres e vestidos à maneira antiga, com roupas verdes, um barrete vermelho ou um estranho chapéu de três pontas, avental de couro e sapatos com fivelas.

O nome Leprechaun é possívelmente originário do Gaélico Luacharma'n, significando meio corpo (no sentido de pequeno) ou Leith Brogan que significa sapateiro. Outra interpretação para a origem do termo seria a de Leprechaun vem de Luch-chromain, gaélico para "Pequeno Lugh corcunda".
 Na Irlanda é conhecido como um pequeno homem de roupas verdes, bigode, olhar simpático e um cachimbo na boca. Os Leprechauns não gostam de humanos e tem medo deles, mas quando se vem com boas intenções, eles dão-nos um par de sapatos. Os sapatos que eles fazem são muito bonitos e são feitos de materiais naturais, tais como, flores e gotas de orvalho. Além do seu cachimbo, estão sempre acompanhados pelo seu pequeno, velho e gasto martelo.
O leprechaun é muito pequeno, pois tem apenas 30 a 50 cm.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Altar dos duendes



Em um cantinho especial de sua casa, numa mesa coloque uma toalha verde, uma ou várias imagens e bibelôs de duendes. Coloque vasinhos com violetas ou outra planta que dê flores. Cristais e quartzos são bem-vindos, assim como pedras de rios. Você pode oferecer maçãs e doces para eles e fazer seus pedidos.

Oração dos duendes:

À noite, ao rezar acenda uma vela verde e faça seu pedido.
"Noite de lua, eterno luar.
Poderosos duendes venham me ajudar.
Sorte, sabedoria e beleza necessito conquistar."

Brownie dos gnomos



Uma forma de agradar os gnomos é fazer um brownie encantado. Ele também dá alegria e prosperidade! Faça o seguinte: Acenda uma vela verde e faça a saudação dos gnomos. Coloque uma música medieval animada e prepare seu brownie.

Saudação dos gnomos:


"Eu vós saúdo, gnomos,
Que constituem a representação
do elemento Terra.
Vós que constituem a base e
fortaleza da Terra
Ajudai-me a transformar e a construir
todas as estruturas materiais,
assim como uma raiz fortifica
a árvore frondosa.
Gnomos, possuidores dos segredos ocultos
fazei-me perfeito e nobre,
digno de vosso auxílio.
Mestres da Terra, eu vós saúdo fraternalmente."


Ingredientes:

* 1 tablete de manteiga ( 100g )
* 1barra de chocolate meio-amargo ( 200g )
* 3 ovos
* 1 xícara ( chá ) de açúcar
* 2 xícaras ( chá ) de farinha de trigo
* 1 colher ( sopa ) de fermento
* 1 barra de chocolate ao leite picado ( 200g )

Modo de fazer:

Derreta o chocolate meio-amargo com a manteiga, em banho-maria. Bata os ovos com açúcar, junte o chocolate e mexa. Junte a farinha, o fermento e o chocolate ao leite picado. Mexa tudo e asse por 45 min. Quando estiver pronto, corte o primeiro pedaço e ofereça aos gnomos junto com um copo de leite, deixando tudo num jardim ou quintal. O restante, pode dividir entre amigos e família.

Fonte: A Magia dos elementais da Terra, Eddie Van Feu.  

terça-feira, 22 de maio de 2012

Harry Anderson e os gnomos



  Em noite de verão de 1919 o jovem de 13 anos, Harry Anderson, andava em uma estrada isolada do interior, perto de Barron, Wisconsin, quando viu algo distintamente estranho. Vinte pequenos homens, alinhados em uma única fila e indo na sua direção. Eles estavam visíveis à luz da lua. Até mesmo quando passaram por ele, não lhe prestaram atenção. O jovem Anderson percebeu que estavam vestidos em calças de couro até os joelhos e que tinham suspensórios. Não usavam camisas, eram carecas e sua pele era branca pálida. Embora todos eles fizessem sons de resmungos, não pareciam se comunicar entre eles. Aterrorizado, Anderson continuou seu caminho e não olhou para trás. Este encontro bizarro permaneceu vívido em sua memória pelo resto da vida.

O gnomo de Mull



      Em 30 de abril de 1973, uma educada mulher de Londres chamada Mary Treadgold estava viajando de ônibus pelas Terras altas da Escócia. Perto da cidade de Mull, o ônibus se espremeu do lado da estrada estreita para deixar passar um carro que vinha na direção contrária, e Treadgold preguiçosamente olhou pela janela para um espaço de turfa. Lá, de pé em frente a uma moita de arbustos, estava "uma pequena figura de aproximadamente 45 cm, um jovem homem com seupé sobre uma pá, pego (congelado como um pássaro ou esquilo na abordagem de algo estranho) no ato de cavar", ela relatou. "Ele tinha uma face diminuta, agradável ( o que saberia novamente), cabelo encaracolado, espesso e marrom, estava vestido em tipo de avental e suspensório de um azul brilhante, com uma camisa muito branca e com as mangas enroladas. Um saco aberto, também em miniatura estava do lado dele". Ele enfaticamente não era um anão, nem uma criança ( ao menos como a sugestão desesperada de um cético), nem um gnomo plático de jardim. Ele era um ser vivo perfeitamente formado como qualquer um de nós, somente em miniatura. A figura foi perdida de vista depois que o ônibus retomou sua jornada.
   " Quando voltei para casa", Treadgold escreveu, "perguntei a uma conhecida das Terras Altas que os amigos dela tinham visto pessoas similares em Mull, e que Mull era conhecida por isso. Ela acrescentou que as pessoas pequenas eram geralmente pálidas (não me recordo disso no brilho dos cabelos e das roupas, e na aparência geral de energia e alerta.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Elo inquebrantável



Você sabia que os dons mediúnicos são passados de pai pra filho? Muitas vezes, não se percebe isso, mas é mais comum do que se imagina. Há inclusive uma tese que diz que uma pessoa que já viu um elemental ou foi abduzido por um não deve se casar com alguém que passou pelo mesmo, porque seus futuros filhos podem vir a passar por isso no futuro. O jeito de quebrar o "elo" dos elementais com a família, seria se juntando a alguém que não partilhe de suas crenças.  Elementais são quase imortais como o tempo e podem acompanhar uma família por várias gerações. Se são bons elementais, legal. Mas se é o contrário...
O seguinte relato é um exemplo de como esses espíritos ( não só os gnomos e duendes, mas todos os tipos de seres, desde fadas à ondinas) acompanham uma família. Nem sempre os escolhemos mas eles nos escolhem ou algum antepassado nosso .


O Rev. Sabine Baring-Gould, o históriador e folclorista vitoriano, escreveu que quando tinha quatro anos de idade e viajava em uma carruagem com seus pais, "vi legiões de anões de 61 cm correndo ao lado dos cavalos; alguns se sentavam rindo na trave, alguns estavam se misturando aos arreios para chegar nos lombos dos cavalos." Seus pais não viram nada. Baring- Gould também recordou um encontro que sua esposa vivenciou quando tinha 15 anos e andava em uma alameda em Yorkshire. Lá ela localizou um pequeno homem verde, perfeitamente bem  feito, que olhava para ela com seus olhos de contas negras. Ela estava tão assustada que correu para casa.
   Os avistamentos de seres encantados evidentemente correram na família. Um de seus filhos tinha ido colher "peapods" no jardim quando, assim ele informou aos pais, ele observou " um pequeno homem usando uma capa vermelha, jaqueta verde e calções marrons até os joelhos, cuja face era pálida e velha, e que tinha uma barba cinza e olhos tão negros e duros quanto o fruto do abrunheiro. Ele encarou tão intensamente o garoto que o último saiu correndo."

A caçada dos Gnomos



Edward Wiliams, um proeminente clérigo britânico do século XVIII, escreveu em 1757, que quando ele tinha sete anos, ele e outras crianças estavam brincando em um campo em Gales quando eles viram, a distância de 100 jardas, sete ou oito pequeninos pares vestidos de vermelho, cada um carregando um lenço branco na mão.   Um dos pequeninos homens caçou as crianças e quase pegou uma, que segundo Wiliams, teve "uma visão completa e nítida deste velho, de tez escura e compleição amarga" pouco antes de conseguir escapar. Durante a caçada outras figuras gritavam ao perseguidor em uma lingua desconhecida. Este incidente intrigou o Dr. Wiliams por toda a sua vida, e ele concluiu, "Sou forçado a classificar isto entre meus não conhecidos".

Uma visita inesperada



Mari Sion de Llanddeusant, Anglesey, Gales, contou a folclorista sua própria experiência no início do século XX com uma família de gnomos. Em uma noite, à luz da lua, o marido, os filhos e ela ouviram bater na porta enquanto estavam sentados perto da lareira.  Quem batia, era um pequenino homem, uma mulher e um bebê. O homem tinha apenas 61 cm e era o mais alto de todos.
 " Devo ser grata pelo empréstimo de uma tigela de água e um carvão para o fogo", a mulher disse. "Gostaria de banhar essa pequena criança. Não quero que eles o façam uma vez. Devemos voltar depois que vocês tiverem ido para cama".
   Mrs. Sion deixou os materiais requisitados antes que ela e sua família se retirassem.
   Durante a noite, eles podiam ouvir as idas e vindas das pequenas pessoas. Na manhã seguinte, a família encontrou tudo em ordem, exceto que a tigela estava virada para baixo. Ao levantar a tigela, a família encontrou quatro shilings.

O pedido de um duende




Esse texto é uma declaração juramentada de um clérigo sueco do século XVII, P.Rahm:

"No ano de 1660, quando minha mulher e eu tínhamos ido à minha fazenda, que fica a três quartos de milha da casa paroquial de Ragunda e estávamos sentados conversando por um tempo, já no cair da noite, veio um pequeno homem na porta e pediu à minha mulher para ir ajudar a esposa dele, que estava em trabalho de parto. Ele era de uma complexão escura, e estava vestido com velhas roupas cinza. Minha mulher eu sentamos por um tempo e ficamos nos perguntando sobre o homem; estávamos cientes que ele fosse um Troll, e já tínhamos ouvido falar disto bastante, chamados pelos camponeses de Vettar ( espíritos), sempre costumavam manter-se nas casas de fazendas, quando o povo saía para o tempo das colheitas. Mas quanto ele havia feito sua solicitação quatro ou  cinco vezes, pensamos no mal que o povo rural dizia que ele tem às vezes sofrido dos Vettar, quando eles tem uma chance de amaldiçoá-los, ou com palavras não civilizadas  mandá-los para o inferno. Tomei a resolução de ler algumas preces para minha mulher, abençoá-la e pedir em nome de Deus que fosse com ele. Ela apressadamente apanhou algum linho e foi com ele, eu fiquei sentado lá. Quando ela voltou, disse que quando chegou com o homem ao portão, parecia como se ela fosse levada muito tempo pelo vento e assim ela chegou a uma sala onde de um lado havia uma pequena câmara escura na qual a esposa dele estava na cama, em grande agonia.  Minha  mulher foi até ela e depois de pouco tempo, a ajudou até que ela desse à luz a uma criança, da mesma maneira que outros seres humanos. O homem então, ofereceu a ela comida e quando ela recusou, ele agradeceu a ela e a acompanhou de volta, trazendo-a do mesmo modo pelo vento e, novamente, quando chegaram ao portão eram dez horas. Enquanto isso, uma quantidade de velhas peças e pedaços de prata foram deixados na prateleira, na sala de estar, e minha mulher as encontrou no dia seguinte, quando estava arrumando a sala. É suposto que elas foram colocadas lá pelo Vettar. É verdadeque isto aconteceu assim, eu testemunhei, ao escrever meu nome.  - Ragunda,12 de abril de 1671 ".

domingo, 15 de abril de 2012

Moeda mágica para afastar a inveja



As moedas mágicas podem ser preparadas com um pequeno ritual, onde elas são energizadas com o propósito de anular a influência negativa da inveja.

Para confeccioná-las você precisa de:

* Três moedas douradas
* Um saquinho de tecido vermelho
* àgua corrente
* Sal grosso
* Esmalte incolor ou verniz
* Uma toalha de banho vermelha

Como fazer:

Lave as moedas sob a água corrente, esfregando sal grosso, suavemente. Em seguida, deixe-as secar ao sol sobre a toalha vermelha. Depois de secas, aplique algumas camadas de esmalte incolor ou verniz. Por fim, guarde-as no saquinho de tecido vermelho e mantenha-o dentro de sua bolsa. Jamais permita que outra pessoa toque ou utilize as moedas.

quinta-feira, 15 de março de 2012

Duendes

Duendes são personagens da cultura europeia, semelhantes a fadas e goblins. Mas em outros países são considerados mini-demônios. Embora suas características variem um pouco pela Espanha e América latina, são análogos aos brownies escoceses, aos nisses dinamarqueses-noruegueses, ao francês main-rouge, aos irlandeses durichaun, leprechauns e far darrig, aos manx fenodyree e mooinjer verggey, ao galês tywyth teg e o sueco tomte. Usado por Frederico García Lorca, o termo parece situá-los mais próximo da categoria das fadas. A palavra é usualmente considerada eqüivalente à palavra japonesa youkai, e é usada indiscriminadamente como um termo guarda chuva para abrigar todas as criaturas semelhantes como goblins, pixies, elfos, gnomos e etc.
    Alguns mitos dizem que duendes tomam conta de um pote de ouro no final do arco-íris. Entretanto, se for capturado, o duende pode comprar sua liberdade com esse ouro. Outras lendas dizem que para enganar os homens, ele fabrica uma substância parecida com ouro, que desaparece algum tempo depois. Neste caso, são chamados leprechauns. Na mitologia irlandesa, os leprechauns tem mais ou menos 30 cm e atendem a desejos. Na mitologia portuguesa, o Fradinho da mão furada e o Zanganito são seres encantados, uma espécie de duendes caseiros.

Quem nunca perdeu algo dentro de casa e nunca mais achou? A  primeira alternativa- e a mais racional-, é que alguém ou você mesmo mudou de lugar e não se recorda. Mas já pensou na possibilidade de um duende brincalhão ter escondido o objeto?
  A imagem mais comum dos duendes é a de um ser pequeno de aspecto mais ou menos humano, apresentantando alguns traços exagerados. Mas como são dotados de poderes mágicos, podem trocar de tamanho e de forma.  São considerados criaturas semi-divinas mas mortais. A lenda diz que eles passam grande parte do tempo mudando as coisas de lugar ou escondendo-as, mas também gostam de dar susto nos moradores da casa onde habitam. E podem até se vingar daqueles que os tratam mal. Mas os duendes podem ser bonzinhos e realizar os pedidos de quem os agrada e acredita no seu poder.

O primeiro passo para atraí-los é chamá-los pelo nome ou através de uma oração específica. Outra maneira é colocar um pote de mel com água na janela de casa em uma noite de lua-cheia. Para evitar erros, adquira uma imagem de duende e coloque dentro de casa ou no jardim. Coloque também três moedas douradas como oferta. Escreva seus pedidos em papel e coloque embaixo da imagem. É muito importante não se esquecer de alimentar o duende com um pouco de leite ou água com mel. As oferendas podem ser colocadas na frente do duende ou ao lado direito. Além de alimentos, eles gostam de receber brinquedos como pás e picaretas. Ter contato com a natureza é também uma boa forma de reforçar os laços com os duendes. É nos reencontrado com a terra que que vemos o reflexo de nossa própria alma. Não podemos esquecer que, assim como os duendes, somos parte da terra e a terra é parte de nós.

Esses pequenos seres possuem grande apreço pela música, pelo canto e bailes. Igual aos gnomos, os duendes são elementais da terra.
  O contato com um duende é bem interessante, mas devemos estar preparados para recepções divertidas ou desagradáveis, de acordo com a nossa egrégora interna. Eles podem nos ajudar muito no aprendizado com plantas e ervas. Os duendes possuem hábitos noturnos e geralmente tem uma atitude benévola com os seres humanos, para os quais realizam pequenos trabalhos domésticos se forem devidamente respeitados e alimentados.  A maioria deles mora nos bosques ou campos, no interior de alguma árvore ou no subsolo da terra. Os duendes podem viver vários séculos, ultrapassando 500 anos, mas não são imortais.

Características gerais:

Os duendes, geralmente adotam um estilo medieval de vestuário. Usam uma pequena túnica marrom, às vezes, guarnecida por uma por uma longa gola dobrada, botões brilhantes e debruns de cor verde, calções marrons, meias rústicas e dois tipos de calçados: ora uma " bota de lavrador", longa e pesada, ora um sapato de bico fino, de confecção mais leve. A cabeça é normalmente coberta por uma touca longa e pontuda, se bem que às vezes, um chapéu duro e de abas curtas substitua o barrete de camurça mais comumente usado.
    Grupos de duendes, absortos em suas ocupações, foram vistos usando aventais, bastante semelhante aos usados por ferreiros; fivelas e fechos brilhantes geralmente fazem parte de seus equipamentos.
  Trabalhando, os duendes portam e simulam utilizar ferramentas, principalmente, pás e picaretas, com as quais eles cavam a terra com grande aplicação.
   Os duendes variam de compleição : os representantes de algumas tribos são baixos e atarracados, gordos e roliços, de membros curtos; já outros, são magros e de aparência jovial. A sua altura varia de 10 a 30 cm. O rosto pode ser parecido com o de um velho, com sombrancelhas acinzentadas, barba e bigode, tez avermelhada, curtida pelo sol e pela chuva. Seus olhos são pequenos e redondos e sua expressão cândida, cordial e bucólica. São por natureza, criaturas comunicativas e amistosas, andam em bando e são altamente miméticos nos seus hábitos, no seu jeito de se vestir, de brincar e de trabalhar. Como seu elemento é a terra, possuem muita coisa em comum com a simplicidade rústica do lavadror. Aparentemente, o tipo é de origem medieval, pelo menos o seu aspecto presente é modelado a partir do homem do campo daquele período.
   Por serem ligados à terra, os duendes podem controlar imprevistos da natureza.
  Alguns possuem ainda grandes e pontudas e grande quantidade de pêlos no corpo. Eles chegam a constituir família e quando confiam nos humanos se tornam fiéis e grandes protetores.

Alguns duendes famosos:

Magnodum-duende da magia
Iende- duende da sorte
Dunez- da natureza
Dulei- da alegria
Duendo-da união

Os duendes estão estabelecidos no distrito de Dartmoor, na Cornualha. É difícil citar um lugar em Dartmoor que não seja assombrado pelas verdes criaturinhas travessas. Eles emprestam seus nomes a muitos marcos divisórios, Bosque dos duendes, Caverna dos duendes, Salão dos duendes, Pedra dos duendes.
    Os pequeninos dançam às sombras das pedras verticais, ou fazem travessuras nas margens pedregosas dos riachos. O repicar de seus sinos pode ser ouvido no fundo do coração dos muitos picos rochosos dos terrenos não cultivados.
   Os duendes traqüinas adoram roubar cavalos e pôneis para cavalgarem loucamente pela chanerca, enrolando e embarassando suas crinas, fazendo com que esvoacem ao vento. Mesmo em casa, não se está a salvo deles, pois gostam de atirar potes e panelas nas cozinheiras. Embora apreciem muito uma brincadeira, os duendes são trabalhadores e esforçados e são vistos, freqüentemente à noite, debulhando milho em troca de pão e queijo.

terça-feira, 13 de março de 2012

Elfos em diferentes culturas

Elfos no folclore escandinavo:


No folclore escandinavo moderno, praticamente só existem elfas, que vivem em colinas e montes de pedras. As Älvor suecas são moças belíssimas que vivem na floresta com um elfo rei. Têm vida longa e são de natureza jovial. São representadas como louras, vestidas de branco e, como a maioria das entidades folclóricas escandinavas, podem ser terríveis quando ofendidas. Nos contos, frequentemente causam doenças. As mais comuns são e menos perigosas são sarnas e brotoejas, conhecidas como Älvablast (golpe élfico) e podem ser curadas por um forte contragolpe (um par de foles serve para isso). Os Skàlgropar, um tipo de petroglifo comum na escandinávia, eram conhecidos como Älvknarnar (moinhos élficos), apontando para seu suposto uso.
 Pode-se apaziguar as elfas com uma oferenda (de preferência, manteiga) posta em um moinho élfico- um costume, talvez derivado do alfablót dos antigos nórdicos.
  Para se proteger das elfas malévolas, os escandinavos costumavam gravar a chamada " Cruz élfica" (alfkrors, älvkrors ou ellakors) em edifícios e objetos. Uma de suas formas era um pentagrama, ainda frequente nas portas, paredes e utensílios da Suécia no século XX. A outra era uma cruz comum gravada em uma placa de prata redonda ou oblonga, usada como pingente de colar, que devia ser forjada durante três tardes com prata herdada . Em alguns lugares também precisava ser posta no altar de uma igreja por três domingos consecutivos.
   As elfas podem ser vistas dançando nos prados, principalmente à noite ou em manhãs brumosas. Se um humano observar a dança das elfas por umas poucas horas, pode descobrir que se passaram muitos anos no mundo real. Elas deixam um circulo onde estiverem dançando, que é chamado alvdanser ( danças élficas) ou alvringar ( anéis élficos), e acredita-se que urinar neles causa doenças veneras. Pisá-los ou destruí-los também é perigoso. Geralmente, os anéis élficos são formados por pequenos cogumelos, ou são áreas circulares onde a grama foi achatada.
Se se interessou por anéis mágicos, que também servem de passagem para outros reinos, leia a postagem no meu blog adancadasfadas.blogspot.com que fala sobre o famoso anel das fadas.

Elfos no folclore Alemão:


No épico medieval alemão Nibelungenlied ( A canção dos Nibelungos), um anão chamado Alberch tem um papel importante. Alberich significa literalmente " Rei elfo ", o que contribui para a confusão entre anões e elfos, já observada nos Edda. Através do francês Alberon, o mesmo nome originou o inglês Oberon - rei dos elfos e das fadas ( fairies ) em Sonho de uma niote de verão de Shakespeare.
 No folclore alemão posterior à cristianização, os elfos passaram a ser descritos como entidades travessas que causam  doenças ao gado e as pessoas e trazem maus sonhos. A palavra alemã para pesadelo, albtraum, significa " sonho élfico ". A forma arcaica albdruck significa " peso ou pressão" do elfo, acreditava-se que os pesadelos eram resultado de um elfo sentando-se sobre o tórax do sonhador. Esse aspecto da crença alemã nos elfos corresponde em boa parte à crença escandinava nos Mara e às lendas cristãs sobre íncubos e súcubos.
  A maioria dos elfos em baladas medievais inglesas são do sexo masculino e freqüentemente de caráter sinistro, inclinados ao estrupo e assassinato, como o Elf- knight (cavaleiro elfo ) que rapta a rainha Isabel. A única elfa mencionada com freqüencia é a rainha dos elfos, ou Elfland. Já nos contos populares do ínicio da Idade moderna, os elfos são descritos como entidades pequenas, esquivas e travessas, que aborrecem os humanos ou interferem em seus assuntos.

A lenda do elfo Garcone

      Existe um elfo irlandês conhecido como Garcone que se parece muito com um cigano, de olhos escuros e pele quase negra. Cujo o nome significa " o que fala de amor", que gosta de seduzir as mulheres mortais. Os aldeões irlandeses começaram a acreditar que existia uma praga ou castigo divino, pois não viam outra explicação para tantas mulheres jovens morrerem ao longo de toda a Irlanda. E todas tinham as mesmas características: eram jovens, bonitas e muito ingênuas. Todas, sem exceção, entravam em profunda depressão, definhavam e morriam. Em todas as aldeias, sem qualquer motivo aparente, choravam sem parar em grande tristeza. Tornavam -se opacos e sem vida, seus olhos, e suas bocas ficavam emudecidas pela dor de seus corações e durante todo esse tempo sussurravam uma única palavra: "Garconier ".
  Garconier ou Garconer era um elfo que se fazia passar por cigano, que com doces palavras conquistava as moças, menos precavidas. Era fácil enganá-las, um longo olhar, um beijo na mão, uma flor de despedida, um sorriso malicioso e não tardava para a jovem infeliz apaixonar-se por ele. Muitas vezes, ao invés das palavras, ele cantava antigas baladas, em uma língua desconhecida, que só compreendiam seus corações apaixonados e elas sentiam inflamar seus sonhos de donzelas que ansiavam encontrar o amor em seu estado mais puro. As moças floresciam com o calor de seus beijos, até um dia ao tentarem encontrarem-se com o amado, descobrirem que ele tinha partido. Grande desespero então, tomava conta delas. O chamava, suplicavam aos céus que ele regressasse para elas. Porém, nunca mais tinham noticias deles. As jovens, coitadas, se apagavam como velana ausência dele. Perdiam totalmente a vontade de viver e acabavam morrendo de amor. Existia um provérbio irlandês que dizia: " Quem encontra Garconer, pode tecer seu sudário." As moças morriam, mas Garconer seguia em frente e com seu sobretudo vermelho, ia seduzindo as mulheres que alimentavam a sua paixão durante um certo tempo, ou até quando desejasse conhecer outras, a paixão tem muitos rostos, cada mulher era um mundo, cada novo amor um sabor distinto. Desse modo, Garcone percorreu toda a ilha, sempre cantando na sua língua estranha, deixando um caminho de corações partidos e vidas extintas a cada passo.

A faceta sombria dos duendes

   Estes seres demonstram capacidade de atrapalhar o sono das pessoas, molestar moças, provocar pesadelos e mal- estar físico. No Brasil, existe a lenda dos Aneros. Acredita-se  que esses seres pertubariam o repouso dos viajantes e provocariam neles desorientação.
  Os Barabahen, na Itália também são fontes de sonhos bizarros e inquietantes.
  O Batibal, nas Filipinas, inibe a respiração de quem dorme.
O Calcarot se sentaria sobre o peito das pessoas que dormem, atrapalhando-lhes o sono. Um comportamento parecido é aquele do Carchett, na Suíça, que na maioria das vezes provocaria sonhos angustiantes, roubando as cobertas dos infelizes que escolhe para atormentar.
 Outra característica desses seres mitológicos é seu interesse por mulheres jovens.
Os Cauzietti, anões peludos com aproximadamente 20 cm de altura, adoram aterrorizar as moças, roubando-lhes seus bordados. Já os Fajetti, da Calábria, Itália, invadem as casas dos camponeses durante à noite e se divertem ao provocar uma ensurdecedora bagunça. Às vezes, escondem as coisas e importunam jovens (sempre mulheres). Os Follat entram embaixo das saias das moças para espiar suas pernas. E o Gambastorta (que significa pernas tortas) esconde objetos, faz tilintar os vidros das casas e desloca as telhas.  Este interesse particular dos duendes por mulheres jovens poderia estar relacionado à herança sexual dos seres humanos e, de maneira específica, pelo sexo feminino.
  Na região Norte da Itália existe a muito séculos a crença na existência de uma criatura em forma de fada que seria uma mistura de duende e elfo. Essa criatura é chamada Zampa di Gal (perna de Gal) e era comum que se colocasse na entrada do Vale de Gênova e esperasse a passagem de jovens mulheres para seduzi-las. Outros duendes semelhantes, residentes nos Alpes, seduziriam as belas jovens fazendo-as desaparecer para, logo em seguida, brincarem de procurá-las. Este é um fenômeno que não tem nada de divertido, cuja interpretação pode esconder raptos.
   Na cidade de Reggi, Calábria, acreditava-se que o Fuddettu passasse o seu tempo brincando com as crianças que dormiam, colocando-as em posições muito estranhas.
  O L'Omino della Rena (homenzinho da rena) é outro duende que faz as crianças dormirem, porém com um artifício pouco agradável:  lança em seus olhos um pouco de areia, forçando-as a fechá-los.
Na Italia, existe também a lenda do Omino del sonno (homenzinho do sono) , que é um ser que se comporta exatamente como o citado anteriormente, porém também invadindo as casas através das paredes de portas fechadas. Os Salvanelli, igualmente italianos, hipnotizam suas vítimas para induzi-las a praticar atos estranhos e impensados. Possuem uma enorme cabeça, mãos e pés disformes e sua altura é de pouco mais de um metro.  Os Salvanelli, ao contrário, possuem aproximadamente 75 cm de altura, uma estrutura corporal muito fina e magra, e se divertem assustando o gado, invadindo as casas dos camponeses para aterrorizar as crianças na hora de dormir e, finalmente à noite, perturbando os viajantes.
 O Grogach possui as dimensões de uma criança, cabeça grande e corpo flexível, devido à falta da coluna vertebral. O Wichetlein, um anão minerador da região de Piemonte, na Itália, possui um corpo delicado, com pernas pouco desenvolvidas e uma cabeça pontiaguda sobre a qual um chapéu negro.
  Vogghee Lino, com 30 cm de altura, é um duende de aspecto agradável,mas quase totalmente calvo.
 Os Salvani são feios e deformados e à noite se agitam intensamente impedindo o sono dos camponeses.
Os Sangmanelli possui aproximadamente 60 cm de altura, formação corpórea muito magra e uma coloração palidissima e quase espectral. Estes duendes também se agitam na zona rural durante à noite, fazendo sinistras brincadeiras com pobres peregrinos que por ventura estiveram de passagem por lá.
 Conta-se que os Shaquos raptam meninos e meninas deixando em seu lugar um duende decrépito e idoso.
   Os Serval, do Nordeste da Itália, desejam assemelhar-se ao homem e, conta a lenda que frequentemente trocam suas crianças recém-nascidas pelas humanas. Já nas lendas do Leste da Rússia aparece a figura do Cattivora, um gênio maléfico com olhos hipnóticos e mãos dotadas de longas unhas pontiagudas, adaptadas para agarrar crianças. Acredita-se também que, dentro de algumas cavernas, habitem perigosas criaturas que saem durante a noite para raptar crianças perdidas, a fim de devorá-las. Na região de Tentro, também ao Norte da Itália, conta-se a história de um duende que tem a faculdade de provocar vertigens e visões nos seres que se aproximam da gruta onde habita. Aprisiona qualquer um que ouse pisar sobre a sua pegada e, em alguns casos, rouba a alma das pessoas.
  Antigamente se cogitava que sendo um povo em extinção, as fadas procurassem reproduzir-se juntando-se aos seres humanos. Porém, na falta de representantes masculinos disponíveis, substituíam as crianças sadias e belas pelas suas, doentes. Ainda não é o claro o motivo pelo qual os antigos acreditavam que as fadas estavam por extinguir-se. Entretanto, é interessante notar o fato de que, para muitos raptados, era relatado a necessidade urgente desses seres cruzarem a sua raça com a humanidade, a fim de eliminar a fraqueza genética existentes em seus genes. Para entender um pouco melhor sobre as  fadas e seus raptos, leia a postagem " Fadas que raptam crianças" no meu blog: adancadasfadas.blogspot.com.

  Outra fábula digna de nota é aquela que narra a história dos anões- gigantes, seres que em uma noite raptaram a filha de um rico camponês, colocando em seu lugar uma criatura de sua espécie. No dia seguinte, os pais da garota não conseguiam explicar como, de uma hora pra outra, a pele da menina havia ficado cinza e seus olhos negros, quase como carbono. Após vários anos, a estranha criatura que havia crescido de maneira selvagem era capaz de ações maquiavélicas, desaparecera para sempre.